Trauma ou redenção: psicológico é chave no retorno de Ronda – O Combatente