A questão de rasgar livros em Ariquemes e a ofensa à autoridade do STF – O Combatente