A maioria dos estudantes do 5º ao 9º anos da rede estadual deve ser convocada para fazer parte da campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya. Eles atuarão como multiplicadores e fiscais dentro de casa e junto à comunidade dos cuidados que a população precisa ter para evitar criadouros do mosquito.

A proposta foi apresentada nesta segunda-feira (6) pelo secretário estadual de Saúde, Williames Pimentel, durante reunião da força-tarefa e Comitê Estadual de Controle do Aedes aegypti, formada por técnicos da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), Agência Estadual de Vigilância em Saúde de Rondônia (Agevisa), Lacen, Ministério Público, Corpo de Bombeiros, Forças Armadas, Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), entre outros órgãos parceiros.

A ação vai focar na conscientização da importância de manter os quintais limpos, em especial nos bairros com maior índice de infestação do mosquito Aedes aegypti em Porto Velho, mostrando para a população sua importância no combate às doenças, e que a prevenção é o melhor remédio, considerando que não há vacina e, o mais importante: se o mosquito não nascer, não haverá transmissão.

Durante a reunião, o secretário Pimentel destacou que, apesar das campanhas de divulgação feitas pelo governo federal e estadual, ainda há muita resistência da população em atender ao agente de endemias, para que o profissional, com base no treinamento que recebeu, possa fazer a vistoria domiciliar e identificar possíveis focos e criadouros do mosquito.

A força-tarefa está agendando uma série de mutirões nas áreas com maior proliferação do mosquito. O primeiro acontecerá na próximo segunda-feira (13). Estão listados para receber as ações dos mutirões os bairros Jardim Santana, São Francisco, Mariana e Socialista, todos da zona Leste da capital. Nestas áreas, o índice e infestação apontada por Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti Liraa é de 6,6. O levantamento é feito pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde de Rondônia (Agevisa).

PLANEJAMENTO
Em novembro do ano passado ficaram definidas ações como: apoiar tecnicamente os gestores municipais nas ações de combate ao mosquito Aedes aegypti; ofertar capacitação permanente para profissionais de saúde e militares; reforçar as visitas domiciliares com a participação das forças armadas em municípios estratégicos; além de fornecer equipamentos e veículos com UBV pesado (versão mais forte do fumacê para combate ao mosquito) para municípios que enfrentam dificuldades com elevado índice de infestação predial.

Pelo planejamento, essas seriam as principais estratégias que o governo de Rondônia definiu para serem executadas em 2017, no combate ao Aedes Aegypti. Durante a reunião do ano passado, o tema foi debatido com representantes da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), da Marinha, Força Aérea e Exército Brasileiro. A meta é fortalecer a parceria e planejar estratégias para eliminar os focos do Aedes.

Texto: Zacarias Pena Verde

Fotos: Ítalo Ricardo

Secom Governo de Rondônia

Comentários

comentários