O longo tempo sem chuvas na região amazônica não causa prejuízo apenas para produtores rurais e pequenos e grandes pecuaristas. A seca deste ano já vem prejudicando a travessia de caminhões e carretas carregadas de alimentos, insumos e medicamentos para o estado do Acre através da balsa no rio Madeira, na região da Ponta do Abunã, em Rondônia.

De acordo com pessoas que trabalham no distrito de Abunã, em Rondônia, o rio Madeira secou de forma rápida nos últimos dias e a travessia da balsa é feita de forma moderada por causa do bancos de areia.

 

“A balsa procura atalhos no rio para poder atravessar. Além disso a carga tem que ser menor por causa do nível do rio que está bem abaixo da média”, informa um policial militar que trabalha na localidade.

Caminhoneiros cobram direção da balsa e reclamam que apenas carros pequenos estão sendo autorizados a embarcar na balsa para realizar a travessia.

“Estamos aqui desde ontem de madrugada e ainda não conseguimos atravessar. Apenas carros pequenos estão atravessando e nós que precisamos trabalhar estamos parados aqui somando prejuízo. Cadê a Polícia Rodoviária Federal para tentar resolver a situação?”, questiona um dos caminhoneiros.

Segundo os motoristas, uma fila de cerca de 7 quilômetros se formou ao longo da BR-364 por causa dificuldade de travessia com a balsa.

folha do acre

Comentários

comentários