Vergonha
Nos grupos de WhatsApp está sendo muito comentado o vídeo do vereador Marcelo Cruz (PTB) detonando o caso da licença prêmio do procurador geral do Município, Luiz Storer, que de uma pancada só recebeu R$ 126.693,15, referente a licença prêmio. O vereador classificou o caso como uma “pouca vergonha”.

Favorecimento?
De acordo com Marcelo Cruz, há informações de que outros servidores tentaram obter a mesma licença, mas muitos não conseguiram. Ainda segundo ele, alguns que conseguiram tiveram o valor parcelado em dez vezes. “E me disseram para ter cuidado, porque ele (o procurador geral) é terrível”, diz o vereador no vídeo.

Sem explicação
Marcelo Cruz prossegue detonando, no vídeo, dizendo que enviou pedidos de explicações ao controlador Geral do Município de Porto Velho, Anderson Fonseca, ao corregedor Geral, Renato Gomes, ao secretário Municipal de Administração, Alexey (da Cunha Oliveira), e também ao prefeito Hildon Chaves (PSDB). “Ainda não chegou nada, mas estou aguardando”, disse ainda o vereador.

Honestidade
Depois disso Marcelo Cruz continuou falando pesado, dizendo que muito se tem falado de honestidade, mas isso deve começar pelos pilares da prefeitura. Em seguida, parou de citar o procurador Luiz Storer e cobrou explicações sobre a Agência de Desenvolvimento de Porto Velho, aprovada pela Câmara de Vereadores.

Pasta?
Marcelo Cruz deu a entender que não foi feito nenhum projeto pela tal agência, até agora. Em seguida ele disse que os vereadores precisam saber onde a agência funciona e quantas pessoas estão trabalhando nela. “Eu fiquei sabendo que é uma agência de pastam embaixo do braço, mas espero que eu esteja enganado”, alfinetou.

A César o que é de César I
Num passado não muito distante um politico sempre ligado a educação tentou s eleger mas levou um sonoro NÃO da vontade do povo.

A César o que é de César II
Ficou desempregado por um bom tempo, mas está ativa novamente.

A César o que é de César III
Voltando a eleição na qual o “TITCHER” foi REPROVADO pelo povo de Rondônia, usou a boa fé de um empresário da Capital que confiou nele e fez tudo fiado e até hoje se passaram quase 3 anos e o empresário não viu a “cor do dinheiro”.

A César o que é de César IV
O empresário até se animou ao saber que o “TITCHER” estava trabalhando novamente e poderia agora receber pelo seu trabalho.

A César o que é de César V
Pediu que um funcionário fosse lá ao encontro do “TITCHER”, a “secretária” falou que o chefe estava ocupado o funcionário esperou por cerca de 3 horas.

A César o que é de César VI
A secretária informou ao cobrador que almoçaria, foi quando “TITCHER” saiu o cobrador fez o seu trabalho e recebeu a seguinte reposta: “já almoçou meu filho?”…
O trabalhador se animou pensando que ao menos iria se convidado para almoçar com o “TITCHER”, disse “Não Senhor”.

A César o que é de César VII
O “TITCHER” disse o seguinte: “Contrata um a empresa de fornecimento de alimentação e aluga uma barraca e põe ai na frente da Escola que não vou pagar ninguém não”

ESCOLA
Poderá seguir o “exemplo” do “TITCHER” e ministrar o seguinte curso: COMO ENGANAR A JUSTIÇA ELEITORAL E OS FORNECEDORES

 

 

Comentários

comentários