A eleição no Amazonas interessa sim a Rondônia, mais do que se imagina! Principalmente numa questão complexa, que até hoje não foi resolvida e que prejudica, na situação como está, aos dois Estados. Ela divide os dois candidatos que foram ao segundo turno. Trata-se, é claro, da BR 319. Amazonino Mendes, que teve 38 por cento dos votos no primeiro turno, é um grande inimigo da conclusão da rodovia. Ele defende com unhas e dentes o lobby das empresas de navegação, que fazem o trajeto entre as duas capitais com suas balsas. Para se ter ideia da grandeza desse negócio (e é principalmente por ele que há pressões de empresários; de ONGs e até de gente do governo federal), uma viagem de balsa, acoplada a um só rebocador (só de vinda, Manaus a Porto Velho) pode render, bruto, nada menos do que 240 mil reais. O valor seria equivalente a 80 carretas bitrem, caso o transporte fosse feito por rodovia. Amazonino e seu grupo, do qual fazem parte outros parlamentares, como o deputado federal Roberto Doerner, do Mato Grosso, não querem nem ouvir falar na abertura da BR 319, porque isso seria, sem dúvida, o fim de um negócio que é uma mina de ouro. Amazonino é do PDT, mesmo partido do senador rondoniense Acir Gurgacz, ironicamente o político local que mais quer ver a BR 319 transitável, até porque isso abrirá um novo e potente mercado para a Eucatur, a grande empresa de transporte coletivo de Rondônia, além de trazer inúmeros benefícios ao nosso Estado. Nesse caso, os dois pedetistas estão em lados totalmente opostos.

 

Eduardo Braga, que teve 25 por cento dos votos no primeiro turno, é quem defenderá a conclusão da 319, caso seja eleito. Presidente da Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado, Braga, do PMDB, tem protestado contra o que chama de  “gradativo isolamento”, especialmente, do Norte e do Centro-Oeste, das demais regiões do país. E diz que a BR 319 é esse meio de integração. Defende inclusive uma Medida Provisória do Governo, considerando a rodovia como estratégica para o país. Braga sabe as forças que enfrenta no seu Estado, nesse quesito. E deixa claro: se o governo federal não intervier; se não considerar, em lei, a BR 319 como vital para o país, ela jamais sairá do papel, ao menos como uma rodovia viável para a integração nacional. Portanto, com Amazonino, na questão da 319, as coisas ficarão como estão. Com Braga, elas têm chance de mudar. Não votamos, mas ao menos podemos torcer pelo bem de Rondônia!

 

 

 

 

 

 

CORTANDO NA PRÓPRIA CARNE

A crise que atinge praticamente todos os municípios brasileiros, chegou com força a Cacoal. E causou um grande estrago, inclusive no ânimo da prefeita Glaucione Rodrigues. Preocupada com a possibilidade de não ter recursos para pagar o funcionalismo e, ainda, correndo o risco de infringir a Lei de Responsabilidade Fiscal, o que poderia impedir o município de receber recursos federais e celebrar convênios, ela deu uma canetada no funcionalismo. Demitiu mais de 200 comissionados de uma vez só. Quando anunciou a medida que foi obrigada a tomar, era visível a tristeza da Prefeita, que vem se destacando por uma administração de reconstrução da cidade, depois de duas administrações extremamente ruins. Com as demissões, Cacoal volta a ficar dentro dos índices da LRF e, mais que isso, economizará algo em torno de 340 mil reais/mês de salários que pagava aos que agora estão desempregados. A equipe da confiança da Prefeitura ficou muito pequena. Ela chegou a fazer um apelo aos perto de 1.800 servidores efetivos, que a ajudem a tocar a administração à frente. Quanto aos exonerados, Glaucione não poupou elogios ao trabalho que vinham realizando. Sofreu, mas não teve escolha: cortou na própria carne.

 

NADA DE NOVO NO FRONT

 

Nada de diferente no quadro sucessório do Estado. Não há novos nomes postos, além dos já conhecidos. Maurão de Carvalho, o atuante presidente da Assembleia, será mesmo o candidato do PMDB na disputa em 2018. Acir Gurgacz, senador do PDT, é outro nome já confirmado como pré candidato. Ivo Cassol garante que concorre, mesmo sub judice. Mariana Carvalho e Expedito Júnior, os dois tucanos, não querem nem ouvir falar, mas podem ser pressionados a reverem suas posições. Ao menos um deles iria para a disputa ao Governo. Nenhum dos dois quer. José Guedes surgiu como alternativa para o PSDB, mas não se sabe se ele teria, hoje, densidade eleitoral para ter chances reais. O PT não fala em nomes, mas não se pode descartar, por exemplo, o nome de um dos seus mais atuantes representantes: o atual presidente do diretório regional e deputado estadual, Lazinho da Fetagro. Carta na manga teria  apenas o tucanato, que poderia surpreender na última hora, indicando Hildon Chaves para a disputa. Mas essa hipótese é muito pouco provável. Afora esses nomes já conhecidos, outros dois, vindos da área do Judiciário, podem aparecer lá na frente: o desembargador Gilberto Barbosa e o procurador de Justiça Héverton Aguiar.  Afora esses, não se tem notícia de alguma mudança no quadro dos concorrentes ao Governo.

 

 

CONFÚCIO NO MURO

 

E Confúcio Moura? O governador, que está em alta pela situação positiva em que colocou Rondônia, hoje uma ilha de boas notícias, cercadas por um país só de coisas negativas, principalmente na economia, está mais para tucano do que para peemedebista, na questão da disputa eleitoral de 2018. Todos os que o cercam, garantem que ele disputará uma vaga ao Senado. Confúcio, em cima do muro até agora, nega. Já disse que não disputará a eleição do ano que vem, mas não há uma só viva alma no meio da política rondoniense, que considere essa decisão definitiva. Ele estaria sim propenso a concorrer, ao lado de Valdir Raupp, às duas vagas ao Senado. Outra versão aponta que, para uma montagem política que facilite uma composição forte dentro do partido, Confúcio poderia aceitar uma corrida a uma cadeira da Câmara Federal. A verdade é que, com a bola cheia, com aprovação do seu governo lá em cima, Confúcio poderá chegar ao momento eleitoral de 2018 com o direito de escolher o que quiser. Ele já teria fechado questão no apoio a Maurão de Carvalho para o Governo, mas o grupo de Acir Gurgacz ainda tem esperança de convencer Confúcio a andar com o empresário e senador do PDT. Por enquanto, o quadro não está claro. O próprio Governador fala muito pouco sobre o assunto e não deixa brecha para que se tenha uma ideia clara do que ele fará. A coluna dá seu pitaco: Confúcio vai ao Senado!

 

 

MILÍCIAS PETISTAS

 

A grande maioria dos brasileiros está indignada com a violência que tomou contra da Venezuela e a ditadura imposta pelos militares (incluindo milhares de cubanos), no governo Nicolás Maduro, contra seu povo. Mas há uma minoria que apoia integralmente tudo isso. O Partido dos Trabalhadores, além de organizações sindicais de extrema esquerda e movimentos sociais como o MST e MTST, estão financiando militantes para seguirem até a Venezuela, segundo constatação de setores de inteligência do Brasil. A intenção óbvia é não só dar apoio ao governo Maduro, como também integrar o reforço das milícias, que estão agindo com violência  contra as manifestações dos opositores do regime ditatorial.  Caravanas em direção a Venezuela, estão seguindo de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e alguns Estados do Nordeste, onde ainda existem fortes redutos petistas. A organização do movimento em solidariedade e apoio à revolução bolivariana tem aval do comando petista no país, embora, nos últimos dias, o ex Presidente Lula, que tanto aplaudiu  Maduro, agora esteja cuidadoso nas suas declarações em favor do ditador.

 

 

FUMAÇA ATÉ SETEMBRO

 

 

Só neste mês de agosto, em pouco mais de uma semana, já foram detectados mais de 350 focos de incêndio em diferentes pontos do Estado. Mas a situação pior, muito pior, está mesmo em Porto Velho. Mais de 180 focos, ou seja, bem mais que 50 por cento do total, foram detectados na área urbana e nos distritos da Capital. Some-se a isso uma umidade relativa do ar muito baixa, ficando entre 30 e 40 por cento, o que pode causar muitos problemas à saúde humana e teremos um quadro complexo para o porto velhense. Mesmo com todos os apelos, campanhas, pedidos de respeito à população, centenas de proprietários rurais ignoram o perigo e continuam realizando queimadas de forma descontrolada e absurda. Na cidade, muitos moradores ainda aproveitam a seca para queimar lixo nos seus terrenos, mesmo correndo o risco de receberem multas pesadas. Não há fiscalização suficiente e as multas aplicadas raramente são pagas. O descontrole do fogo deve continuar até pelo menos a terceira semana de setembro. Help!

 

 

NÃO HÁ PAZ EM CANDEIAS

 

A tentativa de criar factoides em relação ao caso Chico Pernambuco, assassinado em 19 de março passado, em Candeias do Jamari, continua envolvendo a comunidade daquela pequena e problemática cidade, numa confusão sem fim. Até agora, depois de presos vários envolvidos na morte do então Prefeito da cidade (menos o acusado de ser o mandante do crime, que está identificado, mas foragido), continuam as  tentativas de opositores de colocar o novo prefeito, Luis  Ikenohichi, dentro do caso. Todas as denúncias ou pseudodenúncias até agora não deram em nada. Ikenochici diz que nada tem a ver com o crime e que quer apenas realizar seu mandato com dignidade e trabalho. Seria melhor para a população se conseguisse, mas as disputas políticas, que fervilham  muito, mesmo nas comunidades pequenas, não o permite. Nessa semana, uma tentativa de criar uma CPI em que a Câmara “julgaria” o prefeito pelo crime, uma excrescência, foi derrotada. Mas haverá outras medidas iguais. Candeias, ao que parece, não vai ter paz tão cedo!

 

 

PERGUNTINHA

 

Quanto tempo ainda vai durar no cargo o secretário da Semtran, Marden Negrão, depois que vários vereadores de Porto Velho exigiram, do prefeito Hildon Chaves, a cabeça dele numa bandeja?

 

 

 

Comentários

comentários