Relatório da Agência Nacional de Águas (ANA) identificou 25 barragens no país com estruturas comprometidas. Entre os problemas identificados estão deficiências no vertedor, que é por onde a água é escoada, fissuras e deterioração na estrutura de concreto das barragens, erosões e concreto com péssima qualidade.

Das 25 barragens, 16 são públicas e 9 privadas, sendo a maioria ligada ao agronegócio. Nenhuma delas tem relação com mineração ou geração de energia.

Veja a lista de barragens com problemas, o estado onde elas ficam e o problema identificado:

  1. Canoas (Alagoas) – erosão no vertedor
  2. Gulandim (Alagoas) – vertedor insuficiente
  3. Prado (Alagoas) – vertedor insuficiente
  4. São Francisco(Alagoas) – vertedor insuficiente
  5. Bosque IV (Alagoas) – vertedor insuficiente
  6. Francisco Alves (Alagoas) – necessidade de reforço no vertedor
  7. Progresso (Alagoas) – necessidade de reforço no vertedor
  8. Facundo(Ceará) – erosões no maciço
  9. São José II (Ceará) – afundamentos e buracos em talude
  10. Tijuquinha (Ceará) – fissuras e deterioração do concreto
  11. Pau Preto (Ceará) – erosões e vegetação nos taludes
  12. Trapiá (Ceará) – vegetação nos taludes
  13. Cupim (Ceará) – erosões e vegetação nos taludes e canais de aproximação
  14. São José III (Ceará) – erosões e vegetação nos taludes e canal de aproximação
  15. Valério (Ceará) – erosões no talude de jusante canal de restituição
  16. Poço Verde (Ceará) – erosões, afundamentos e vegetação nos taludes e coroamento
  17. Jardim Botânico (Paraná) – erosão no talude e vertedor
  18. Jucazinho (Pernambuco) – fissuras
  19. Capa Zero (Rondônia) – percolação com carreamento de material
  20. Fazenda Vista Montanha (Roraima) – não especificado
  21. Taboca (Tocantins) – erosão em talude e percolação com carreamento de material
  22. PA Destilaria (Tocantins) – vertedor comprometido
  23. Jaburu I (Ceará) – percolação e erosão regressiva no vertedor
  24. Passagem das Traíras (Rio Grande do Norte) – concreto com péssima qualidade
  25. Marechal Dutra/Gargalheiras (Rio Grande do Norte) – trincas em todo maciço

Para fazer o levantamento, a ANA solicitou informação a 29 entidades fiscalizadoras. Dessas, 9 apontaram haver barragens com problemas graves que comprometeriam a segurança e quatro afirmaram não haver barragens com estruturas comprometidas. Outros 16 órgãos não responderam ao questionamento da ANA.

No documento, a ANA alerta ainda para o grande número de barragens que estão sem identificação do empreendedor, que não tem autorização dos órgãos competentes e não tem nenhuma classificação quanto ao potencial de risco e impacto.

Barragens irregulares

De acordo com a agência, das 22.920 barragens identificadas em todo o Brasil, apenas 12.590 estão regularizadas e possuem algum tipo de ato de autorização (outorga, concessão, licença ou autorização), o que significa que 45% de todas as barragens identificadas no Brasil estão funcionando de forma irregular.

No total das barragens identificadas, 18.761 ainda não foram classificadas quanto ao potencial de dano e 19.229 não foram avaliadas quanto à categoria de risco.

Segundo a ANA, durante a elaboração do documento ocorreram 6 acidentes com barragens, entre eles o rompimento da barragem da Samarco, em Mariana (MG), a maior tragédia ambiental do país, que ocasionou a morte de 19 pessoas, além de danos ambientais em toda a bacia do Rio Doce.

O documento aponta ainda que os empreendedores das barragens fiscalizadas só aplicaram 5% dos valores considerados necessários para segurança. De acordo com a agência, durante a elaboração do relatório, foram fiscalizadas 927 barragens.

Comentários

comentários