Seis apenados fugiram na madrugada de segunda-feira (08), do Presídio semiaberto em Ariquemes. Segundo agentes penitenciários que estavam de plantão, uma das grades da carceragem foi cerrada, na cela 01. A ação rápida dos agentes evitou uma fuga em massa. No momento da fuga, a carceragem com capacidade para 40 vagas estava superlotada, com mais de 130 presos.

 

 

O Singeperon, Sindicato dos Agentes Penitenciários e Socioeducadores de Rondônia havia alertado a Secretaria de Justiça, SEJUS, sobre a más condições de infraestrutura da unidade, que se esbarra com a o pouco efetivo de agentes no plantão, outro grande problema enfrentado. Atualmente, em cada plantão apenas três agentes monitoram o local, quantitativo insuficiente para garantir a efetividade das atividades no presídio.

“Por falta de aviso não foi, já havíamos informados a SEJUS sobre esses problemas, mas apenas o que fizeram foi empurrar com a barriga, e fazer de conta que está tudo bem. Até o muro, que teria uma solução mais simples, que apenas aumentar a altura, não foi feito. ” Desabafou o Delegado Sindical, Clebes Dias.

 

A situação é insustentável, tanto que os próprios presos endereçaram uma carta ao Ministério Público denunciando as péssimas condições do presídio. Entre as reinvidicações dos apenados, é que de fato seja cumprido o regime semiaberto, e não fechado como ocorre atualmente, outro questionamento é quanto a superlotação e até mesmo a falta de água potável para o consumo.

O clima de tensão continua na unidade, na tarde de ontem (08), apenados iniciaram um motim que deixou rastros de destruição. Grades foram arrancadas de todas as celas, e até a parede que divide o semiaberto masculino do presídio feminino foi quebrada. A polícia militar foi acionada para ajudar a conter o tumulto, e reforçar a segurança.

ASCOM/SINGEPERON 

Comentários

comentários