Em meio à queda de braço entre governo estadual e federal sobre a responsabilidade de fiscalização da fronteira do Acre com a Bolívia e o Peru, o Exército Brasileiro desenvolve, desde a última segunda-feira (16), a Operação Ajuricaba 3. Mais de 1.000 militares de diferentes unidades realizam ações de combate a crimes na região de fronteira do Acre e de Rondônia.

A operação é coordenada pelo Comando Militar da Amazônia (CMA), tendo à frente a 17º Brigada de Infantaria de Selva, sediada em Porto Velho. Segundo nota oficial, a Ajuricaba “tem com objetivos intensificar a presença do Exército na faixa de fronteira, de neutralizar ou reduzir as ações de Organizações do Crime Organizado e de combater os delitos transfronteiriços e ambientais no extremo oeste do país”.

A ação dos militares está apoiada por uma logística de 60 viaturas, três aeronaves e 13 embarcações. Entre as unidades envolvidas estão o 4º Batalhão de Infantaria de Selva (4º BIS), o Comando de Fronteira Rondônia/6º Batalhão de Infantaria de Selva (6º BIS), 54º Batalhão de Infantaria de Selva (54º BIS), 61º Batalhão de Infantaria de Selva (61º BIS), de Cruzeiro do Sul, e outras.

O Exército atua em conjunto com as polícias Federal, Rodoviária Federal e as Militares do Acre e Rondônia, mais a Receita Federal. No combate aos crimes ambientais, os militares contam com o apoio das respectivas secretarias do setor dos dois estados e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Comentários

comentários