Em 2019, as expectativas são boas, com muito trabalho e progresso. É o que espera um dos pecuaristas de Porto Velho, Teodomiro de Farias, atuante no estado nos setores de pecuária de corte, de leite, piscicultura, olericultura e agroindústria. “Foi através do grande comprometimento do Banco da Amazônia conosco e do FNO, que nosso empreendimento prosperou. Passamos de pequena empresa para grande empresa. Eu e minha família estamos muito felizes e contentes com o financiamento que recebemos”, afirmou o pecuarista.

Para realizar mais negócios como este no estado, o presidente do Banco da Amazônia, Valdecir Tose, e o governador de Rondônia, Marcos Rocha, assinam, no dia 28 de fevereiro, o Protocolo de Intenções para Aplicação de Recursos em 2019. Neste ano, a Instituição disponibiliza R$ 2 bilhões para a economia do estado.

De acordo com o superintendente regional da instituição financeira em Rondônia, Wilson Evaristo, no ano de 2018, o Banco da Amazônia aplicou cerca de R$ 1,37 bilhão somente no estado. “Para esse ano precisamos estabelecer uma meta mais ousada, mínima de R$ 2 bilhões. Por isso, a parceria com o estado é de grande importância na articulação de infraestrutura e assistência técnica para criação de um ambiente de negócios confiável e atraente”, afirmou.

FNO
Com a atuação do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), principal fonte de recursos do Banco, a região amazônica conquistou resultados positivos, como a diminuição da pobreza, a geração de emprego e renda, a contenção do êxodo rural, a inclusão social e a redução das desigualdades intra e inter-regionais. “Os impactos são imensos, pois a cada 100 empresas ou novos negócios que tomam recursos de fomento, 63 têm a participação do Banco, através do FNO”, informou o presidente do Banco da Amazônia, Valdecir Tose.

Os valores disponibilizados para o FNO no estado de R$ 1,7 bilhão comporão um portfólio com as mais variadas Linhas de Crédito, destacando-se o “FNO – Amazônia Sustentável” que atende os setores rurais e não-rurais; o “FNO-MPE”, linha exclusiva para os micro e pequenos empreendedores do estado cujo faturamento anual não ultrapasse R$ 4,8 milhões/ano; o “FNO-MEI”, voltado para os microempreendedores dos mais diversos setores formais; o “PRONAF – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar”, que leva recurso aos mini e pequenos produtores rurais familiares; além dos mais recentes lançamentos, como o “Fundo de Financiamento Estudantil (FIES)”, oferecendo aos estudantes rondonienses juros mais baixos para realizar o curso de graduação; a linha “FNO Energia Verde”, que apoia a produção de energia solar (e outras) na região; e o “FNO Infraestrutura”, com recursos destinados para obras que beneficiem a vida da população, como saneamento básico, telecomunicações, transporte, além de outras para saúde e educação.

Para a Amazônia Legal, a estimativa é que o Banco da Amazônia disponibilize R$ 12,9 bilhões neste ano de 2019, segundo o presidente Valdecir Tose. Desse total, R$ 9,3 bilhões são originários do FNO. Os demais são do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) e do Orçamento Geral da União (OGU). O restante, R$ 2,98 bilhões, pertence à carteira de crédito comercial da Instituição.

Para os próximos cinco anos, está prevista a ampliação do acesso ao crédito pelos interessados em obter recursos do FNO. “Temos como perspectivas implementar os representantes e agentes de crédito para locais onde não há unidade do Banco; dar maior agilidade e automatização no processo de aprovação dos projetos; análise, contratação e liberação através do Fomento Digital, com acesso democrático e condições igualitárias; e criar plataformas digitais de acompanhamento e liberação automática”, afirmou o presidente.

Banco da Amazônia
Com 76 anos de atividade, o Banco da Amazônia é a principal instituição financeira de fomento da Amazônia. Atua em nove estados brasileiros, investindo em empreendimentos rurais e urbanos, que possibilitem o desenvolvimento da região. Confira mais informações no site www.bancoamazonia.com.br e nas redes sociais do Banco.

Comentários

comentários