domingo, outubro 21, 2018
Início Site Página 232

Mega-sena: ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 34 milhões

A Caixa realizou na noite deste sábado (20) o sorteio 1.932 da Mega-Sena. As dezenas sorteadas foram: 10 – 16 – 21 – 29 – 44- 55. Não houve acertadores, e o prêmio acumulou em R$ 34 milhões. O próximo sorteio será na quarta-feira (24).

A Quina teve 72 ganhadores. Cada um levou R$ 38.379,16. Outras 5.449 pessoas acertaram na Quadra, e ganharam, cada uma, R$ 724,45.

A estimativa de prêmio era de R$ 30 milhões. Se aplicado na poupança, o prêmio poderia render cerca de R$ 150 mil por mês.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.

SANEAMENTO: Prefeito e governador concordam que só a privatização salva a Caerd

Em almoço num restaurante da Capital, dr Hildon e Confúcio Moura alinharam ações sobre água e esgoto para a capital

A transferência da concessão da Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (Caerd) para a iniciativa privada, seja por meio da privatização comandada pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), seja por meio de Parcerias Público Privada (PPP), é o único caminho para tirar a companhia da insolvência e, ao mesmo tempo, garantir a expansão da rede de água tratada para 100% da capital e a implantação da rede de esgotamento sanitário.

Essa é a conclusão a que chegaram o prefeito dr Hildon Chaves e o governador Confúcio Moura que na quarta-feira (17) almoçaram juntos num restaurante da capital para tratar deste e de outros assuntos como a construção da rodoviária. Nesta quinta-feira (18), dr Hildon reuniu jornalistas em seu gabinete numa coletiva de imprensa para falar das medidas que serão adotadas daqui pra frente para decidir o futuro da Caerd e por em marcha o projeto de saneamento básico da capital.

Por enquanto a situação da Caerd está sendo analisada por uma consultoria indicada pelo próprio BNDES, para escolher o melhor caminho a ser seguido. O prefeito disse que vai aguardar os estudos e adiantou não ter a vaidade de ser o ‘protagonista principal’ do que vier a ser feito. “O que eu quero é que se resolva o problema dos moradores que não tem água tratada nem esgoto. Não podemos mais admitir o primitivismo da falta de água encanada nas casas e o esgoto correndo a céu aberto em vários pontos da cidade”, disse o prefeito.

O governador Confúcio Moura convidou dr Hildon para participar no próximo mês de uma audiência em Brasília com a presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, para tratar do processo de privatização que foi oferecido pelo governo federal por intermédio de financiamento do banco. “Nós temos aqui na capital um terço de toda a população do Estado. Isso é um indicador de muito peso e o governador entende que é preciso dar uma resposta à essa parcela da população”, disse.

Dr Hildon disse que a Prefeitura está trabalhando na construção do Plano Municipal de Saneamento Básico e afirmou que “nos próximos 40 a 50 dias teremos boas notícias para os moradores de Porto Velho”.

UBER

Na entrevista coletiva, o prefeito aproveitou para manifestar também o posicionamento da Prefeitura com relação ao transporte de passageiros por meio do aplicativo Uber. Segundo ele, assim como qualquer outra iniciativa, pode trabalhar desde que legalizado. “Tem que vir à Porto Velho, se cadastrar, cadastrar os motoristas, pagar imposto, enfim, se regularizar para trabalhar de forma legal. Não podemos permitir a concorrência com quem está regular e paga seus impostos”, disse o prefeito numa referência à disputa com os taxistas.

O prefeito condenou, entretanto, as agressões sofridas por dois motoristas do Uber na manhã de quarta-feira (17) quando foram espancados e tiveram seus carros destruídos por um pequeno grupo de taxistas inconformados com o que consideram concorrência desleal. “Não é com o uso da força e da violência que se reivindica supostos direitos”, reprovou o prefeito que é a favor de ampliar o debate com toda a sociedade entes de chegar a uma conclusão.

O secretário municipal de Transportes e Trânsito, Marden Negrão, também criticou a forma com que o serviço de transporte entrou na cidade. “Chegou se anunciando nas redes sociais e já começa a transportar sem procurar antes se regularizar, tomando espaço de pais de famílias que estão no mercado trabalhando de forma regular. Não podemos abrir mão da regulamentação, pois corremos o risco de deixar um vazio perigoso”, alertou, afirmando que a fiscalização de rotina feita no combate ao transporte clandestino poderá punir eventuais motoristas que forem flagrados realizando o serviço.

PSDB

O prefeito respondeu também a questionamentos acerca da turbulência política decorrente da delação do dono do grupo JBS. Com relação ao suposto envolvimento do presidente de seu partido, o senador Aécio Neves, segundo gravações vazadas, dr Hildon defendeu o afastamento do líder partidário, coincidentemente no exato momento em que, em Brasília, durante reunião com a Executiva do partido Aécio Neves entregava o pedido de licenciamento para cuidar da sua defesa, exatamente como sugerira o prefeito de Porto Velho.

Não é só o Aécio Não. Se comprovado, todos devem ser responsabilizados, doa a quem doer. Não devemos agir igual ao PT. O Brasil está sendo passado a limpo e não tem que passar a mão na cabeça de ninguém”, posicionou-se dr Hildon que lamentou os primeiros impactos na frágil economia brasileira. “Em uma hora o dólar subiu 8% e a bolsa caiu 10 pontos. Teve que ser fechada”, observou.

 Comunicação – Prefeitura de Porto Velho

Uma sociedade sofrida e governada por criminosos

Estão massificado na mídia que a sociedade brasileira é tão corrupta quanto os políticos. Não acredite nisso. É mais uma manobra torpe para passar a culpa para a população.
Somos um povo que trabalha muito. Pagamos os maiores e mais injustos impostos do mundo. Não temos direito à segurança, saúde, educação etc. Sequer temos lazer digno e alimentação adequada, pois os salários pagos ao trabalhador brasileiro são uma vergonha.
Agora, vem a p…( desculpem a expressão) dessa propaganda, bancada talvez pelo próprio dinheiro público, para dizer que somos iguais a esses cafajestes.
Não somos! Diga isso com força. Pagamos nossos impostos, trabalhamos até o limite de nossas forças. E mais: não temos sequer o direito de morrer num leito digno.
Cadeia sim para todos que acham que podem roubar os cofres públicos. E, agora, pasmem, essa corja têm a cara de pau de passar a responsabilidade das mazelas deles para nós, povo.
Corruptos são eles e nós somos vítimas inocentes das atrocidades. Pelo menos isso tem que ficar bem claro. Estão fabricando uma nova e monstruosa inversão de valores.

Antônio Pessoa

Com Michel Temer enrolado, Marina Silva volta a pedir eleições diretas em 2017

A líder da Rede Sustentabilidade, Marina Silva, disse na madrugada desta quinta-feira, 18, que o presidente Michel Temer “não está em condições de governar o Brasil”. Temer se vê numa situação complicada com a divulgação de que teria negociado pagamento pelo silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. A líder da Rede afirma que o Congresso Nacional deveria aprovar a emenda à Constituição apresentada pelo deputado Miro Teixeira –também da Rede – possibilitando a realização de eleição direta em caso de queda de Temer – pela atual regra, a escolha do novo chefe do Executivo se daria por via indireta. “Para que a sociedade faça a escolha daquele que, com base em um programa, poderá fazer a transição neste difícil momento que estamos atravessando”, disse.

Corte Interamericana de Diretos Humanos: Singeperon intervém em ação contra o Estado e União

O Sindicato dos Agentes Penitenciários e Socioeducadores (Singeperon) ingressou na Justiça Federal com pedido de assistência em ação contra a União e o Estado de Rondônia, em razão do descumprimento do “Pacto para Melhoria do Sistema Prisional do Estado de Rondônia”, firmado perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA). A ação foi ajuizada pelo Ministério Público Estadual (MPE) e o Ministério Público Federal (MPF) no ano passado.

A entidade sindical busca levar ao processo mais elementos que comprovam o constante descumprimento do “Pacto” e que interferem diretamente no ambiente de trabalho dos agentes penitenciários, bem como da população carcerária. De acordo com o presidente do Singeperon, Sidney Andrade, as principais promessas das autoridades estaduais e federais perante a CIDH foram o aumento de vagas, melhoria na estrutura física de presídios, contratação e capacitação de agentes e medidas de combate à cultura de violência.

“Estamos vigilantes e, se for preciso, iremos até a Corte Interamericana para provar que o Estado continua ignorando as determinações impostas ao Brasil”, ressaltou o líder sindical.

O Singeperon fundamenta no seu pedido de assistência que seus filiados também sofrerão os efeitos da decisão, ou seja, o resultado da demanda poderá advir prejuízos ou benefícios para o Sistema Prisional Estadual, o que, por consequência, engloba também a categoria que trabalha diariamente nas unidades. Além disso, influenciaria em novas ações que poderiam ser ajuizadas pelo Sindicato contra o Estado.

A advogada Ane Caroline Santos, que atuou no pedido, salientou que a participação do sindicato é de extrema importância para colaborar no processo, que visa melhorias diretas no ambiente de trabalho desses servidores, além da questão social envolvida.

Pacto de Melhorias

Em decorrência do processo que o Estado Brasileiro responde perante a CIDH, autoridades federais e estaduais de todos os Poderes, com a participação do Ministério Público Estadual e Defensoria Pública, firmaram referido Pacto em agosto de 2011, visando suspender o processo, o que foi acatado pela Corte.

Lucas Tatuí Libarino – Jornalista 

Exposição “Já fui Floresta” de José Medeiros, abre a programação do Sesc Amazônia das Artes

 

 

Sesc Amazônia das Artes em 2017 comemora 10 anos de realização. Este ano, a Mostra irá promover espetáculos de dança, teatro, música, literatura, cinema e artes visuais, um intercâmbio de atividades culturais que será promovido nos estados que compõem a Amazônia Legal e no Piauí.  A programação inicia no dia 20 de maio com a exposição fotográfica “Já fui Floresta” do artista Campo-Grandense, José Medeiros. A mostra ficará exposta no período de 20 a 30 de julho, com horário para visitação das 9h às 16h, na galeria do Sesc Centro, localizada na av. Presidente Dutra, no Centro da cidade. 

A exposição surgiu quando José Medeiros ainda trabalhava para uma revista no Mato Grosso do Sul, onde fazia fotorreportagem sobre os índios Guranis no Parque Indígena do Médio do Xingu, lá o artista redescobriu um universo rico e complexo dos índios Ikpeng. Uma oportunidade que Medeiros adquiriu para trabalhar onde a vida indígena era o enquadro perfeito para suas fotos e em contrapartida o mestre repassa seus conhecimentos em sua trajetória fotográfica aos seus novos alunos. Assim, não somente ensina os índios a fotografar, como defende os direitos com a valorização de atributos simbólicos ligados à própria imagem do índio e às raízes de sua cultura. Medeiros procura indagar sobre a cultura indígena e o lugar que lhe cabe na sociedade contemporânea.

A exposição “Já fui Floresta” por países como Portugal, ganhou três prêmios, um do Instituto Internacional de Fotografia, em São Paulo e o outro no 10° Leica-Fotografe, o artista também foi premiado por trabalhos como ‘O Pantanal de José Medeiros’, um projeto que retrata 11 anos de pesquisa fotográfica focada na vivência do homem no Pantanal. José Medeiros nasceu em Campo Grande, mas, mora em Cuiabá desde 1996. Já trabalhou no Diário de Cuiabá, Diário da Serra, e na Folha de São Paulo como freelancer. Seus projetos englobam trabalhos com indígenas e também no Pantanal do Mato Grosso.

 

 

Keila Alves
Assessoria de imprensa
Sesc Rondônia

AÇÃO POPULAR SUSPENDE PRIVATIZAÇÃO DA CAERD

Dentre os oito chamamentos públicos existentes no Brasil, o da Caerd é o primeiro que tem uma decisão deste nível

 

Foi suspenso através de ação popular Nº.7018607-57.2017.8.22.0001 o chamamento público Nº.01/2016 realizado pela Caerd, para estudos de privatização, esta decisão foi da juíza Duília Sgrott Reis, da 9ª Vara Cível de Porto Velho.

O valor de R$14.652.000,00 (quatorze milhões e seiscentos e cinquenta e dois mil reais) seria o montante pago para o grupo constituído pelas Empresas Bain Brasil Ltda, sendo este valor, segundo a decisão em Ação Popular, quase o dobro das outras duas empresas que ficarão em segundo e terceiro lugar na licitação e bem maior que os valores apresentados pelas empresas escolhidas para realizar os estudos de privatização do serviço de saneamento em outros Estados.

Só para ter uma ideia do superfaturamento dessa contratação dos estudos, dentre os Estados de Alagoas, Amapá, Maranhão, Pará, Pernambuco e Sergipe, o Estado do Maranhão foi o que teve o maior valor, que foi R$8.500.000,00(oito milhões e quinhentos mil reais), ou seja, o valor de mais de 14 milhões que seria pago em Rondônia, seria mais de uma vez e meia do maior parâmetro nacional, isso levando em consideração a quantidade de municípios e habitantes de Rondônia.

Além de identificar indícios de superfaturamento, a Juíza também encontrou incoerência no edital apresentado pela empresa, pois inicialmente os estudos técnicos não tem custo e logo depois no mesmo edital, os custos devem ser incluídos no valor proposto.

Outro detalhe do Edital é que ocorre violação da competitividade e da busca pela proposta que fosse mais vantajosa à administração, sendo que em outros estados o procedimento adotado foi via pregão eletrônico, permitindo uma maior competitividade.

Sendo assim, ficou determinado que a Caerd suspendesse imediatamente o procedimento do Chamamento Público e a autorização para a realização de estudos da Privatização, sob pena de multa diária de R$5.000,00 (cinco mil reais), além de prática de crime de desobediência pela representante legal da CAERD.

Jane Carvalho | Assessoria de Imprensa
Jornalista – DRT/RO 941

A OMERTÁ, O CÓDIGO DE SILÊNCIO DA MÁFIA, NÃO DEU CERTO NO BRASIL!

A Máfia não é mais a mesma. Antes, a Lei da Omertá protegia os bandidos.  Agora, uns entregam os outros.  Para quem não sabe, Omertá é uma palavra que vem do  Latim e significa Humildade. É um termo da língua napolitana que define um código de honra de organizações mafiosas do Sul da Itália. Fundamenta-se num forte sentido de família e num voto de silêncio que impede os mafiosos de  cooperarem com autoridades policiais ou judiciárias, seja em direta relação pessoal como quando em  fatos que envolvem terceiros. A Omertá existe além do Sul da Itália peninsular. É forte  também nas três grandes ilhas: Sicília, Sardenha e Córsega. No Brasil, não deu certo. Os criminosos começaram a denunciar uns aos outros, tentando, como delatores, se livrar das pesadas penas de cadeia a que serão, certamente condenados, tanto os que descumpriram a Omertá quanto os que dela foram vítimas. A quebra do código mafioso, no Brasil, começou mesmo quando um grande empresário, daqueles que compravam meio mundo e pagavam propina do ascensorista ao dono do prédio, decidiu abrir o bico. Um dos grandes líderes de uma das facções da Máfia corrupta e criminosa desse país, falou com todas as letras perante o Judiciário: a corrupção da classe política, por meio do caixa 2 é antiga, com mais de 30 anos, e a imprensa sabe disso: “Por que tanta surpresa?”, perguntou, sarcástico, sabendo que no seu caso, a pena da Omertá, que é a morte, só será aplicada no sentido figurado. “Morrerá” como empresário e bilionário, mas continuará solto, porque sua contribuição à Justiça está ajudando a fazer uma limpeza geral num certo país da América Latina.

A bomba atômica, que se espera seja apenas devastadora para os maus, abalou nosso país. De novo. Envolveu diretamente o Presidente da República, gravado em corrupção, segundo denúncia dos donos do Frigorífico JBS; deve levar à prisão (até que enfim!), o presidente nacional do PSDB, o espertíssimo Aécio Neves e, ao que parece, terá uma espécie de efeito dominó. Cassamos uma Presidente; temos que cassar outro, se for culpado, caso ele não renuncie e há um terceiro, envolvido no mar de lama que a máfia política e empresarial impôs ao nosso coitado Brasil. Vamos sofrer um abalo sísmico potente. Tomara que, no final, todo esse sofrimento valha a pena e saiamos muito melhores, como país, de toda essa terrível situação em que a ala da  bandidagem da política nos colocou.

LAZINHO PREVIU

Antes mesmo do impeachment da ex Presidente Dilma Rousseff, o deputado Lazinho da Fetagro, do PT, sempre equilibrado em seus pronunciamentos, fez um discurso na tribuna da Assembleia. Em resumo, naquele dia, vaticinou o que está acontecendo. Segundo ele, a saída de Dilma iria provocar uma espécie de efeito cascata, mostrando a verdadeira face da grande maioria das lideranças políticas brasileiras. Pouco mais de um ano depois, a previsão de Lazinho se concretiza. A podridão chegou ao Planalto, ao Presidente da República e a vários dos seus assessores, do primeiro ao último escalão. Lazinho, aliás, fala sobre a sua atuação parlamentar, sobre o comando do PT regional, que ele recém assumiu e a crise política do país, no programa Direto ao Ponto (Record News, Canal 58; TV a Cabo, Canal 17 e Sky, Canal 358, simultaneamente às dez e meia da manhã deste sábado), em entrevista exclusiva concedida a Sérgio Pires. Imperdível.

 

 

“O CARA” DO JORNALISMO

 

O Brasil inteiro vai ouvir cada vez mais ouvir falar em Lauro Jardim. Foi ele quem deu o maior furo jornalístico dos últimos tempos, relatando, em sua coluna em O Globo, que empresários da Friboi teriam gravações em que o presidente Michel Temer autorizara, pessoalmente, pagamento de propina ao ex presidente da Câmara, o hoje presidiário Eduardo Cunha, para que ele não contasse o que sabe, da podridão que envolvia também  a turma palaciana.  Jardim, há alguns dias, já havia contado que uma funcionária paga pelo governo, era uma espécie de babá do filho do Presidente. O Planalto reagiu com várias negativas. Agora, esse jornalista que começou em 1989 e passou pelas principais redações do país (incluindo um período de grande sucesso no auge da Revista Veja, onde assinava a coluna Radar), publicou em primeira mão as denúncias que balançaram a República. Desde 2015 no jornal O Globo, ele se transformou, de um dia para o outro, na nova estrela do jornalismo nacional…

 

 

GUEDES VAI AO GOVERNO

 

Surge mais um nome da política local, como provável candidato ao Governo do Estado, no ano que vem. Além de Maurão de Carvalho e Acir Gurgacz, que já estão no páreo; além de nomes como Ivo Cassol, Mariana Carvalho, Daniel Pereira, Expedito Júnior e vários outros, sempre citados, agora quem pretende entrar na briga  é o ex prefeito de Porto Velho e ex deputado federal, José Guedes. Ele pensou bastante sobre o assunto e acabou definindo que vai sim colocar seu nome a disposição. Já decidiu que vai estar na disputa em 2018. Essas e muitas outras informações sobre o retorno de Guedes à política; sobre sua história como prefeito e como político; a dura perseguição que sofreu durante anos e muitos outros temas, ele conta para Vinicius Canova, do site Rondônia Dinâmica, em mais uma reportagem de peso, realizada pelo jornalista. A conversa, na íntegra, deve estar publicada a partir dessa próxima segunda-feira…

 

 

EM NOME DOS PREFEITOS

 

Jurandir de Oliveira, presidente da Associação dos Municípios de Rondônia, a Arom, fez importante discurso no encontro nacional em Brasília, que levou centenas de alcaides de  todo o país, na vigésima edição da Marcha dos Prefeitos  à Capital Federal. Quase todos de pires na mão. O trabalho que Jurandir vem realizando à frente da entidade vem sendo elogiado.  O problema é que ele preside a entidade dos prefeitos, mas não é um deles, porque o estatuto da Arom assim o permite. Ex mandatário em Santa Luzia, Jurandir conhece muito bem os problemas dos municípios. Não há ressalvas a fazer ao trabalho dele. Pelo contrário.  O que se estranha, contudo, é que uma entidade que representa os Municípios seja dirigida por quem não é mais Prefeito, porque obviamente haveria muito mais poder de representatividade, se fosse um dos eleitos por sua população e depois por seus colegas, para representar a entidade. Mas é assim mesmo. É, no mínimo confuso,  o fato de  membro de uma entidade que não é mais o gerente do seu município, falar em nome dos prefeitos…

 

 

ENEM: ÚLTIMO DIA

 

O ano passado, um total de 100.361 estudantes rondonienses se inscreveram para os exames do Enem.  Mais de 43 por cento desse número foram de participantes de escolas da Capital. Até esta quinta, não havia ainda sido divulgado o total de inscritos, mas ele estava muito abaixo, seguindo a tendência nacional, dos números de 2016. No Brasil inteiro, mais de 9 milhões e 200 mil estudantes realizaram as provas. Em nível nacional, até ontem, haviam quatro milhões a menos, ou seja, apenas 5 milhões e 200 mil, aptos para realizar o concurso, em novembro próximo. O titular da Seduc, Waldo Alves, divulgou um vídeo nas redes sociais, nessa semana, conclamando os estudantes a se inscreverem para as provas do exame nacional, até para que o ensino no nosso Estado possa ser avaliado, através da participação maciça do alunado. A esperança da Seduc é que de Rondônia ao menos repita a multidão de mais de 100 mil inscritos, no ano passado. Só se terão os números definitivos em meados da próxima semana.

 

 

OS ASSUNTOS DE HILDON

 

Hildon Chaves se encontrou com a imprensa, nessa quinta, para falar principalmente sobre propostas relacionadas com a privatização da Caerd e também do que ele chama de “ilegalidade” na atuação do Uber, na Capital. Por fim, foi provocado também a falar sobre a situação do presidente nacional do seu partido, o agora senador afastado Aécio Neves. No caso da Caerd, Hildon está coberto de razão. Governo e Prefeitura precisam falar a mesma linguagem e resolver esse problema o mais breve possível. Sobre o Uber, ele falou como se ignorasse a modernidade. Não há como conter o Uber. Tem é que se aliar a ele e fazer com que tudo seja feito sem prejuízo à coletividade e aos taxistas, dentro do possível.  Sobre Aécio, o prefeito não poderia ter sido mais feliz: disse que se há provas contra ele, não há o que contestar sobre as decisões da Justiça. O que se espera agora é uma coletiva do Prefeito para anunciar outro assunto de grande interesse para a cidade: com o fim das chuvas, quando e onde começarão as obras do pacote de asfaltamento que a administração municipal vai realizar com toda a grana que Hildon conseguiu em Brasília, via emendas parlamentares…

 

 

PERGUNTINHA

 

Quem será o político, eleito de forma indireta, pelo Congresso Nacional, que vai assumir a cadeira de Michel Temer, quando ele renunciar ou for cassado?

OAB/RO divulga nota clamando pela restauração do decoro do cargo de presidente da República

A Diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia vem a público clamar pela restauração do decoro do cargo de Presidente da República Federativa do Brasil e, precipuamente, a preservação da dignidade da mais alta instituição da República, sua própria representação, com as quais é absolutamente incompatível o silêncio que impera desde que reveladas as últimas notícias.
 
À falta de esclarecimentos contundentes, até agora não manifestados, a renúncia se impõe.
 
Sem embargo, reitera sua convicção de que o remédio para a cura das crises, sobretudo as mais agudas, é sempre o império da lei e a manutenção da institucionalidade.
 
A Diretoria.

Aleks Palitot conhece necessidades da população de distrito

A Sessão Popular Itinerante, um projeto da Câmara Municipal que tem como objetivo aproximar a população do Poder Legislativo foi realizada na tarde desta quarta-feira (17), no distrito de União Bandeirante. Vereadores, deputados e moradores compareceram no ginásio poliesportivo da Escola Municipal 3 de Dezembro para tratar de melhorarias para a comunidade.

Recepcionado por Josué Vieira, Vitorino e Tiãozinho, líder do PTB na comunidade, o vereador Professor Aleks Palitot logo ao chegar no distrito participou do programa jornalístico da Associação Comunitária de Rádio União Bandeirantes (Acrub), a emissora de maior prestígio da região, comandada pelo radialista Paulo Cesar.

Durante entrevista Palitot falou de temas relevantes à sociedade como o papel do vereador, transporte escolar, melhoria das condições das estradas e junção das secretarias municipais de Meio Ambiente e Agricultura, assuntos abordados por ouvintes que foram esclarecidos pelo vereador.

 

Compromisso

Após o primeiro compromisso, o vereador participou de um almoço na casa do Senhor Vitorino, onde se reuniu com lideranças locais para conhecer as demandas da comunidade. “O ônibus escolar transportando cem crianças em um risco eminente de acidente, a saúde que não tem como atender à todos, pois o posto não funciona aos finais de semana e nem em regime de plantão nos deixa preocupados, porém entendemos que o poder público tem que se fixar aqui para legitimar e tutelar o direito destas pessoas que são tão cidadãos portovelhense quanto quem mora na área urbana”, afirma Palitot.

De acordo com o Deputado Estadual Léo Moraes, “estamos aqui ouvindo uma população que geralmente fica esquecida pelos poderes públicos, tanto no âmbito municipal, quanto estadual e até mesmo da União. Um local produtivo, fértil, rico, de gente trabalhadora e honesta e que muitas vezes não tem o mínimo, como o direito de ir e vir assegurados. A estrada em péssimas condições e nós sabemos disso, em que pese ser responsabilidade do Estado. É um pleito nosso a sua recuperação e equipes de trabalho já estão patrolando para logo após encascalhar a estrada de acesso”.

Para Tiãozinho, líder comunitário no distrito, “é importante estas sessões porque os vereadores vêm conhecer a realidade da comunidade e a comunidade conhecer os vereadores. A questão da saúde aqui é precária, as pessoas necessitam muito, as estradas estão bem ruins e também a questão da educação. Esses são os três pontos principais, nosso povo não quer tanto e se tivermos isso o resto nós corremos atrás”, afirma.

Segundo Josué Vieira, morador de União Bandeirantes, “é muito bom essas ações da Câmara aqui, pois os vereadores conhecem de perto a necessidade da população. Aqui o posto não atende 24 horas, não temos ambulância, por falta de transporte escolar as crianças não tem ido a aula e a situação das estradas. Essas são só algumas de nossas necessidades e é muito bom ter essa sessão pública pra que eles possam saber do que se passa aqui. Quero agradecer o vereador Palitot, conversei muito com ele e percebi que ele tem interesse em auxiliar nosso município”.

Ainda no fim da tarde, o vereador Aleks Palitot fez a doação de livros de história de Rondônia de sua autoria à biblioteca da escola municipal e visitou a unidade de saúde do distrito onde conversou com a equipe presente para buscar sugestões para a melhoria na qualidade do atendimento.