domingo, fevereiro 17, 2019
Início Site Página 233

ACIJ entrega doação para a reforma do Hospital Municipal de Jaru

 

Os diretores da Associação Comercial e Industrial de Jaru – ACIJ entregaram na tarde desta terça-feira (01) para o empresário João Gonçalves, presidente da Associação Amigos de Jaru – AMJ, uma doação para a reforma do Hospital Municipal Sandoval de Araújo Dantas.

A reforma da unidade hospitalar começou na segunda quinzena do mês de junho e a previsão é que seja concluída em outubro desse ano. A obra é totalmente custeada pela iniciativa privada e os recursos captados pela Associação Amigos de Jaru.

O cheque no valor de 10 mil reais foi entregue pelos diretores, Francisco de Sá Sobreira (vice-presidente da ACIJ), Sóudilus Pereira (secretário geral), Júlio Cesar Santana (diretor financeiro), Rogério Freire (segundo vice-presidente) e Jefferson Luís (diretor de promoções e propaganda).

Os diretores destacaram que a reforma do hospital é uma causa de toda a sociedade jaruense e ainda que a entidade está disposta a ajudar sempre que necessário.

O empresário, João Gonçalves, agradeceu a colaboração e disse que a participação da ACIJ é essencial nessa nova etapa de transformação do município de Jaru.

Homenagem pelos 40 anos do Grupo IG

Na ocasião também foi entregue também a placa em homenagem pelos 40 anos do grupo em Rondônia. A homenagem é o reconhecimento da ACIJ, pelo trabalho realizado ao longo dessas quatro décadas. “Cada vez que o senhor avança, nos mostra que é possível e a sua contribuição não foi apenas com os colaboradores do grupo, mas com toda a sociedade.”, frisou Rogério Freire.

Gisele Pereira Virgilio

Maurão de Carvalho defende produtores rurais

 

Reunião no Palácio do Governo tratou do clima de insegurança no campo

O agronegócio é a base da economia de Rondônia. Pecuaristas e agricultores, em qualquer tamanho, contribuem decisivamente para que o Estado continue crescendo e gerando renda e oportunidades. Mas, o setor enfrenta uma série de problemas. O mais novo deles é a escalada da violência contra produtores rurais e suas famílias, em novas modalidades de ações de grupos que espalham o terror pelo campo.

Em busca de saída para o impasse que tem amedrontado produtores, o presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho (PMDB), provocou a pedido de representantes do setor, uma reunião com o governador Confúcio Moura (PMDB), no Palácio Rio Madeira.

“Fui procurado por lideranças do setor produtivo, que estão preocupadas com o crescimento da violência no campo, que tem afastado famílias de trabalhadores de suas propriedades. O medo, as ameaças e as ações criminosas se espalham e isso precisa ter um basta”, disse Maurão.

Acompanhado dos secretários estaduais de Desenvolvimento Ambiental (Sedam), Vilson de Sales, da segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), Lioberto Caetano, e também do deputado federal Lúcio Mosquini (PMDB), o governador ouviu relatos de ações criminosas perpetradas por grupos que aterrorizam o meio rural, em diferentes regiões de Rondônia.

“Esses grupos mudaram as suas práticas, nos últimos tempos. Agora, eles não querem mais ocupar as terras. Mas, querem intimidar, ameaçar, roubar ou matar gado, atear fogo nas propriedades e promover uma série de barbaridades. Isso não podemos aceitar e queremos construir, junto com o Governo, a Assembleia e as demais instituições, um caminho para reduzirmos essa tensão”, completou o presidente da Associação dos Pecuaristas de Rondônia, Adélio Barofaldi.

Confúcio afirmou que o Governo tem atuado para enfrentar essas situações. “Não é fácil, mas o que queremos é paz no campo para que Rondônia siga firme em seu crescimento. Agora, estamos repassando dez camionetas para reforçar o trabalho do Incra, para regularizar cerca de 6.400 imóveis”, relatou.

Já o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Rondônia (Faperon), Hélio Dias, apresentou em nome do segmento, a proposta de majoração da taxa de emissão da Guia de Transporte Animal (GTA), em R$ 1,00, par custear ações voltadas ao patrulhamento e aumento da segurança no campo.

“Seriam gerados cerca de R$ 2,5 milhões ao ano, que poderiam ser revertidos com a finalidade de promover mais segurança ao homem do campo. Também

sugerimos que recursos do Detran sejam aplicados na compra de viaturas e equipamentos para esta finalidade”, completou Dias.

Mosquini falou sobre a PEC 759, aprovada no Congresso, que garante a regularização de áreas na Amazônia Legal e dos desafios para a documentação de terras em Rondônia, passando pela criação de um Instituto de Terras.

decom

Theobroma recebe verba para compra de equipamentos agrícolas

 

Recurso foi assegurado pelo deputado federal Marcos Rogério

 

Theobroma deve receber em breve novos equipamentos para atender o setor rural. Esta semana, foi liberado o pagamento de R$ 530 mil para a aquisição de uma pá-carregadeira, um trator e três grades aradoras.

O recurso é fruto de duas emendas parlamentares do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO) e já está disponível na conta da prefeitura. “O setor rural é um dos grandes parceiros do meu mandato, pois é um dos setores que tem o maior potencial de crescimento e expansão. Por isso, todos os anos, busco atender o maior número possível de municípios”, destacou.

Desde o início do mandato, Marcos Rogério investiu cerca de R$ 32 milhões em todo o estado para atender o setor rural. Em Theobroma, especificamente, foi investido cerca de R$ 2 milhões, principalmente para a compra de equipamentos e insumos.

Os recursos se somam a outros R$ 2,5 milhões, assegurados por Marcos Rogério para promover o desenvolvimento do município. São cerca de R$ 4 milhões em recursos investidos na saúde e infraestrutura de Theobroma.

Ludmila Lucas T. Noronha

GARIMPO PERTO DAQUI PODERIA FATURAR  ATÉ 4 BILHÕES DE REAIS POR ANO

 Os números não são exatos, porque não há controle algum. Como a filosofia do governo brasileiro coaduna com as das ONGs internacionais e com setores do Congresso, do Ministério Público Federal e do Judiciário, que não impedem que o Estado lucre com nossas riquezas, enquanto elas são contrabandeadas e enriquecem alguns poucos, o Brasil perde bilhões de reais em minérios e impostos, todos os anos. O garimpo do ouro no rio Madeira e outros rios da região, continua crescendo, mesmo na ilegalidade. Toneladas de ouro são tiradas dos rios, tanto na região de Porto Velho, onde há poucas balsas e dragas, mas ainda as há, como em áreas do recente garimpo entre Manicoré e Nova Aripuanã, a cerca de 500 quilômetros da Capital rondoniense. Ali, perto de 1.300 balsas e outras 250 dragas, tem potencial parar tirar  do Madeirão, todos os dias, algo em torno de 90 quilos de ouro. O cálculo é simples: cada balsa tiraria, em média, entre 50 e 80 gramas/dia de ouro do rio. Indo pelo menor: 1.300 balsas, vezes 50 gramas, igual a 65.000 gramas. Cada draga tiraria não menos que 100 gramas. Mais 25.000 gramas/dia. Somando-se dragas e balsas, 90 mil gramas, ou 90 quilos/dia. Com grama do ouro valendo hoje 126 reais, todos os dias só nesse garimpo, se esses cálculos fossem reais, o faturamento bruto, ficaria perto de de 11 milhões e 300 mil reais. Seriam quase 340 milhões de reais por mês; mais de 4 bilhões/ano. Quase nada vai para os cofres públicos.  O garimpo deixa muitos milionários todos os meses. Porém, muito pouco para o povo amazonense, rondoniense e brasileiro, que só perde suas riquezas, sem retorno algum.

Para se uma ideia, o Estado só recebe impostos sobre o combustível gasto em balsas e dragas. Apenas naquela região, se consume em torno de 2 milhões de litros, principalmente óleo diesel, por semana. No tanque cheio de um caminhão grande,  cabem até 400 litros de diesel. Ou seja, o consumo de uma semana no garimpo, representaria o tanque cheio de 5 mil grandes caminhões. Com o combustível custando hoje em torno de 3,10 reais por litro, só com o diesel o garimpo daquela região gasta 6 milhões e 200 mil reais por semana; 24 milhões/mês. Pode-se ver que os números são superlativos. Quase inimagináveis. Os teóricos e sonhadores não querem a legalização dos garimpos. Na vida real, nossas riquezas vão embora. E a população comum fica a ver navios. Como sempre, aliás!

 

 

 

MULTAS, QUEM LIGA PRA ELAS?

Ainda sobre o assunto: em março passado, fiscalização da polícia ambiental, Ibama e outros órgãos, chegou ao garimpo, que ainda era incipiente. Foram apreendidas na ocasião perto de 20 balsas; também um quilo e meio de ouro e aplicadas multas de mais de 11 milhões de reais. Claro que as multas nunca foram pagas e nunca serão. Ao invés de acabar com o garimpo na área, o que ocorreu foi totalmente o inverso: em poucas semanas, eram centenas de balsas e dezenas de dragas. Hoje, segundo uma fonte confiável, não há menos que 1.300 balsas de todos os tamanhos e pelo menos 250 dragas na área. O garimpo, cada vez maior, funciona nas proximidades e no entorno de duas unidades de conservação. A verdade é que a corrida ao ouro  rola solta, de vez em quando aparece a fiscalização, mas não resolve nada. No fim das contas, o ouro abundante é levado embora e nada fica para beneficiar a população, verdadeira dona de tudo. Enquanto isso, os órgãos ambientalistas e as ONGs internacionais optaram por deixar tudo como como está. Traduzindo para a prática: nada para os cofres públicos e o contrabando correndo solto. Alguns ficarão muito ricos e os demais, todos, só perdem. Mas o discurso fútil e inútil, continua igual ao de décadas.

 

 

PERDA DE MEMÓRIA DO CIMI

A Irmã Laura Vucuña Pereira Manso, coordenadora do Conselho Indigenista Missionário, o CIMI, ligado à Igreja Católica, fez grave denúncia contra a impunidade que grassa no Brasil, em relação aos crimes cometidos contra os indígenas na Amazônia. E o fez através do Rádio do Vaticano. A Irmã denunciou invasões a terras indígenas, a situação de abandono das tribos e a impunidade de quem comete crimes contra elas. “As comunidades indígenas vivem com medo, sob ameaças, com casos inclusive de assassinatos de lideranças”, protestou a religiosa. E o fez  corretamente. Pena que a Irmã tenha esquecido um pequeno e talvez insignificante detalhe para ela, ao pedir o fim da impunidade. Certamente, em nome da sua crença e da Justiça, poderia pedir também a prisão dos índios Cinta Larga que massacraram 29 garimpeiros em 7 de abril de 2004, assassinatos brutais impunes até hoje. Obviamente ela se esqueceu. Quem sabe na próxima denúncia à Rádio do Vaticano, a Irmã lembre de pedir Justiça também a essas pobres vítimas…

 

HILDON VOLTA SÁBADO

O prefeito Hildon Chaves, que não está de férias, mas apenas afastado para tratar de assuntos pessoais, conforme texto do decreto que autorizou sua viagem ao exterior, só retorna a Porto Velho na próxima madrugada deste sábado, dia 5. Reassume o comando da Prefeitura na segunda, dia 7 e retoma suas atividades normais. Nesse período em que ficou fora, o município está sendo comandado pelo vice prefeito Edgar do Boi, que, mesmo tendo ocupado o posto pela primeira vez, um evento histórico na vida dele, preferiu sumir da mídia. Trabalhador, Edgar anda pelos bairros, acompanha as obras, cobra resultados, mas em relação à imprensa, seu período à frente da municipalidade é de um silêncio sepulcral. Hildon Chaves volta com toda a força, garantem assessores mais próximos. Quer aproveitar principalmente o verão amazônico para encher a cidade de obras e entregar asfaltamento em dezenas de bairros. Vamos esperar para ver…

 

Agentes de Desenvolvimento de Rolim de Moura participam de capacitação em Porto Velho

Desde segunda-feira (31/07), Agentes de Desenvolvimento (AD) estão participando do Curso Avançado na capital do Estado de Rondônia, Porto Velho. O curso durará até próxima quinta-feira (03/08) , o evento é realizado por meio das parcerias entre o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Rondônia (Sebrae-RO) e as Prefeituras Municipais do Estado de Rondônia: Presidente Médici, Ji Paraná, Ouro Preto de Oeste, Theobroma, Pimenta Bueno, Cerejeiras, Rolim de Moura, Nova Mamoré, Ariquemes, Rio Crespo, Chupingua e Porto Velho.

Junto com o poder público municipal e as lideranças empresariais locais, os Agentes de Desenvolvimento são responsáveis por trabalhar o crescimento sustentável dos municípios, criando um “elo” entre os empresários locais, atendidos pelas Salas do Empreendedor de cada cidade e as secretarias municipais.

Para o Curso, o município de Rolim de Moura está sendo representado pelo Secretário de Fazenda Wander Barcelar e pela servidora do quadro de funcionários da prefeitura Ester Caliane, todos os participantes receberão instruções de Economia da Urbanização, aumento da capacidade econômica do município com a aplicação de benefícios para as Micro e Pequenas Empresas, planejamento urbano e geração de empregos.

As orientações e facilitações estão sob a coordenação do Drº Claudio Scavassa do SEBRAE.

“Quero em nome de todos os municípios participantes agradecer ao apoio que o SEBRAE oferece, em especial ao Superintendente da Instituição Valdemar Camata, a Gerente de Políticas Públicas Maria Tereza, a Analista do Sebrae Inácia Dias e o Assistente do Sebrae Tadeu de Lima”, frisou o Secretário de Fazenda Wander Barcelar.

Ricardo Barros Silva

Peru apresenta arte inca na Feira Internacional de Artesanato

 

A riqueza da arte inca é uma das atrações do estande do Peru na Feira Internacional de Artesanato, Moda e Decoração que está acontecendo no Bingool Eventos em Porto Velho até o dia 13 deste mês.

O evento ocorre das 15 às 22 hs. O ingresso custa 6,00. Idoso e criança até dez anos paga meia entrada.

No espaço destinado ao país andino, o artesão peruano  Fredy Medina expõe artesanato tradicional e contemporâneo com destaque para artes sacras e cusquenhos .

“Temos ainda calendários incas e CD de músicas andinas”, informa o expositor. Ele  faz moldura das peças artísticas que  adornam com brilho e cores o ambiente.

O seu mostruário é repleto de uma variedade de peças como bolsa, chaveiro,  pulseira, porta níquel, pratos decorativos, mandalas, entre outros trabalhos artesanais.

Embora se destaque pela comercialização de sua vasta mercadoria, o estande do Peru faz sucesso na Mundial Art também pela questão cultural , sobretudo por resgatar a cultura inca.

Os artefatos usados pelos incas para uso cotidiano contavam com a ornamentação de imagens que faziam referência aos seus deuses.

As peças produzidas pelos incas também contavam com diversas formas geométricas e abstratas, além de desenhos de animais bastante estilizados.

Na sociedade inca, as mulheres faziam belos tecidos finos com desenhos  e também tinha a produção de objetos de ouro.

Segundo Lemácia Muniz que coordena a Feira Internacional de Artesanato, Moda e Decoração, a divulgação da cultura dos países participantes é uma atração a mais para o consumidor que tem a oportunidade de adquirir produtos inéditos e conhecer as tradições de diferentes povos.

“Nosso evento é um encontro com a arte e cultura de diversos países e vários estados brasileiros”, define a empreendedora sobre a Mundial Art que é promovida pela Associação do Bem – Estar dos Artesões Cearenses.

João Albuquerque 

Projeto de Combate a queimadas do MPRO reduz focos de incêndios na Comarca de Cacoal

A execução do projeto de combate às queimadas urbanas, desenvolvido pelo Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio da Curadoria do Meio Ambiente da Promotoria de Justiça de Cacoal, vem surtindo efeito positivo na redução dos focos de incêndio no município, conforme dados do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Dos registros efetuados pelo Grupamento de Bombeiros, constatou-se uma redução para 29 ocorrências em 2016, contra 100 ocorrências registradas em 2015 na Comarca de Cacoal, o que demonstra a eficácia do projeto.

O projeto intitulado “Todos no Combate às Queimadas Urbanas. Adote Essa Idéia, Seja Parceiro!”, tem sido executado desde 2011 na Comarca de Cacoal, sob a coordenação da Promotora de Justiça Valéria Giumelli Canestrini, titular da 1ª Promotoria de Justiça de Cacoal/1ª Titularidade (Curadoria do Meio Ambiente), cujo principal objetivo é o combate à prática de queimadas urbanas.O projeto ainda está em execução durante o ano de 2017 e  já há ações previstas para 2018.

Dentre as atividades já executadas, destacam-se a realização de audiências públicas estendidas a toda a comunidade; concursos sobre o tema envolvendo crianças e adolescentes das escolas urbanas da Comarca (frase, desenho e vídeos); noite cultural; reuniões com presidentes de Associações de Bairros e órgãos parceiros como Sedam, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Grupamento de Bombeiros e Polícia Militar, além de palestras nas escolas. Referidas atividades visam propagar a educação ambiental para a conscientização quanto aos malefícios das queimadas urbanas, buscando a modificação desse hábito e a melhora da qualidade do meio ambiente.

Assessoria de Comunicação – ASCOM

Mortes no campo: Mosquini defende regularização fundiária como ação preventiva de conflitos

 

 

O deputado federal Lúcio Mosquini (PMDB-RO) participou na manhã desta terça-feira (01) de uma reunião no Palácio Rio Madeira, sede do Governo de Rondônia, que debateu a violência no campo. “Foram 33 mortes em apenas 12 meses, um número inaceitável”, afirmou Mosquini.

 

Participaram da reunião o governador Confúcio Moura, o presidente da Assembléia Legislativa Maurão de Carvalho, o Secretário de Segurança, Defesa e Cidadania Lioberto Caetano e o Secretário de Desenvolvimento Ambiental Vilson de Salles, entre outras autoridades.

 

Estiveram presentes também diversos produtores rurais e representantes de associações como a Faperon – Federação da Agricultura e Pecuária de Rondônia, CNA e Associação dos Pecuaristas de Rondônia.

 

Mosquini fez uma exposição sobre a nova lei de regularização fundiária, a qual conduziu sua aprovação no Congresso Nacional, e como ela pode ajudar a reduzir os conflitos agrários em Rondônia. “A nova lei 13.465/17 oriunda da MP 759, marca um novo ciclo na regularização fundiária em nosso estado. A agricultura e a pecuária são o motor de nossa economia e o aumento crescente da violência no campo prejudica não só esta cadeia produtiva mas indiretamente toda a população de Rondônia”, afirmou.

 

As lideranças rurais relataram ao governador Confúcio Moura e às demais autoridades os diversos tipos de ações criminosas praticados por grupos que atuam em todo o estado. “Apesar de todas as dificuldades o governador Confúcio Moura tem feito sua parte. Por exemplo, o governo está repassando dez caminhonetes para reforçar o trabalho do Incra e regularizar cerca de 6.400 imóveis”, afirmou Mosquini.

 

Entre as sugestões apresentadas na reunião está a de Hélio Dias, presidente da Faperon, que propôs a majoração da taxa de emissão da Guia de Transporte Animal (GTA) para custear ações voltadas ao patrulhamento no campo.

 

Além de falar da lei 13.465/17, que estabelece novas regras para a regularização de terras da União ocupadas na Amazônia Legal, Mosquini explanou também sobre sua proposta para a criação do Instituto de Terras e Colonização de Rondônia, o Iteron.

PCC planejava matar dois agentes penitenciários federais em Porto Velho

Memorando do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), órgão do Ministério da Justiça, revela que o PCC havia determinado a morte de oito servidores do sistema penitenciário federal até última sexta-feira (30).

Seriam dois assassinatos para cada penitenciária federal: Porto Velho (RO), Mossoró (RN), Campo Grande (MS) e Catanduvas (PR).  Reportagem de Flávio Costa, no UOL, narra detalhes da triste situação que se encontram os agentes penitenciários federais que atuam nas quatro unidades do país e mostra que pelo menos três servidores já foram assassinados.

O agente Alex Belarmino Almeida Santos, 36, passava por um quebra-­molas de uma rua de Cascavel (PR), quando um homem armado se aproximou dele e disparou vários tiros. Ele foi atingido 18 vezes. Após o assassinato de Alex Belarmino, outro dois servidores foram mortos em ações do PCC: Em 12 de abril, o agente Henry Charles Gama Filho foi morto a tiros em um bar em Mossoró (RN), cidade onde se localiza um presídio federal. Em 25 de maio, Melissa Almeida, psicóloga do presídio federal de Catanduvas (PR), foi morta com dois tiros de fuzil na cabeça em frente a seu condomínio residencial, em Cascavel (PR).

“O crime foi cometido em razão da função pública que ela [Melissa] exercia”, disse o delegado federal Marco Smith ao site CGN. Ele comanda a investigação sobre o caso.

Este último assassinato elevou o nível de alerta para todos os presídios federais. A reportagem de Flávio Costa apurou que os agentes receberam a recomendação de redobrar os cuidados de segurança quando estiverem fora de serviço.

A investigação da Polícia Federal já concluiu que Alex Belarmino foi morto por membros do PCC. Pelo menos sete pessoas respondem a uma ação penal que tramita na 4ª Vara Federal de Catanduvas (PR).

Investigações sobre as outras duas mortes apontam para ação da organização criminosa. Em outro texto, também publicado no UOL, Flávio Costa revela que a morte de Melissa Almeida foi cuidadosamente planejada, com direito a monitoramento, emboscada e tiros no rosto. Ela não andava armada, era mãe de um bebê de apenas 10 meses e os presos a respeitavam. De acordo com a polícia, o objetivo é desestabilizar e intimidar o Estado.

UOL

INSS convoca segurados por incapacidade para nova reavaliação de benefício

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) convoca para perícia, pela segunda vez, milhares de segurados que recebem o benefício por incapacidade. De acordo com o Diário Oficial da União de hoje (1º) a nova chamada ocorre após uma tentativa do órgão de notificar os beneficiados pelo correio. As correspondências não teriam chegado porque os dados dos endereços indicados no cadastro do Sistema Único de Benefícios estariam incompletos ou desatualizados.

Os segurados listados têm cinco dias corridos, a contar de hoje, para informar sobre a data marcada para a perícia. O contato deve ser feito pela central de teleatendimento do INSS, pelo número 135. O benefício pode ser suspenso até que o convocado passe pela reavaliação.

Para evitar o cancelamento, os segurados poderão consultar a pagina do DOU, para conferir se seu nome consta na lista. No campo de busca do site, deverão digitar seu nome entre aspas, selecionando apenas a seção 3 e a data de hoje.

Caso o segurado se encontre internado ou enfermo e não puder comparecer à perícia, deverá pedir a uma pessoa de sua confiança que informe ao INSS, em uma de suas agências sobre o impedimento. É necessário que esse representante apresente, na ocasião, a identidade do segurado e um documento que comprove o impedimento. Com isso, ele poderá solicitar ao beneficiário uma perícia hospitalar ou domiciliar.