O software B.O Bot: robô (bot) no Facebook para registro de ocorrências policiais, desenvolvido pela equipe formada por servidores do Ministério Público do Estado de Rondônia e integrantes da sociedade civil, é um dos 10 finalistas da primeira etapa da 3ª edição do ‘HackFest Contra Corrupção’. O evento é promovido pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio do Núcleo de Gestão e Conhecimento e Segurança Institucional (NGCSI). A primeira etapa ocorreu no período a 9 a 11 de junho, em João Pessoa (PB), tendo como objetivo a criação de ferramentas para implementação de aplicativos de combate à corrupção ou em outras áreas relevantes.

O software B.O Bot: robô (Bot) no Facebook para registro de ocorrências policiais, em fase de desenvolvimento, foi projetado pela equipe formada pelos servidores do Ministério do Estado de Rondônia, Francisco Neto e Elieber Souza, além de José Ardiles, Felipe Martins, Henrique e Glaydson, integrantes da sociedade civil.

As equipes têm até dia 31 de julho para intensificar e aprimorar os trabalhos e apresentar na final, que ocorrerá em 18 de agosto, quando ocorre a entrega das premiações e disponibilização à sociedade dos melhores softwares desenvolvidos.

O B.O Bot trata-se de um software que vai funcionar com um Boletim de Ocorrência por meio do Facebook e/ou outras redes sociais. Elieber Souza e Francisco Neto explicam que os dados fornecidos pelas vítimas de crime por meio do software vão permitir mapear locais com maiores índices de violência; as principais causas das ocorrências policiais e que tipo de crimes são mais comuns em determinadas regiões, sendo um instrumento importante para ações na área de segurança pública.

Os desenvolvedores do sistema ressaltam que a maioria das pessoas não está disposta a instalar muitos aplicativos em seus dispositivos para fazer coisas simples, como, por exemplo, registrar a ocorrência de um crime. “Tendo isso em mente unimos a necessidade de ter uma ferramenta que possa obter tais informações da forma menos invasiva e natural possível, já que a pessoa poderá acessar este serviço através de plataformas já conhecidas por eles como: Facebook, Telegram, Skype e outros”, salientou Elieber.

Em relação ao que pode ser melhorado no sistema, os desenvolvedores afirmam que o projeto pode evoluir para auxiliar no registro oficial de Boletins de Ocorrência, ou ainda no registro de denúncias para órgãos como Ministério Publico, Tribunal de Contas e quaisquer outros que desejem aderir a plataforma auxiliando todo e qualquer cidadão, com a principal vantagem de não ter que fazer nenhum tipo de instalação, pura e simplesmente através de um bate papo comum. “Pensamos ainda em desenvolver uma funcionalidade para alunos, onde estes pudessem reclamar ou mostrar alguma irregularidade em sua escola”, salienta Elieber Souza.

Comentários

comentários