Em dezembro de 2018, quatro anos depois que foi iniciada, finalmente a Ponte sobre o Rio Madeira, na Ponta do Abunã, vai ligar, por terra, Rondônia, o Acre e os países vizinhos, na nossa direção ao Oceano Pacífico. Estará aberto, enfim, um novo corredor para transportar nossas riquezas, sem o custo adicional das pesadas tarifas cobradas pelas balsas e ainda com um serviço que fica muito prejudicado, principalmente na época de seca do Madeirão. Já é uma boa notícia, afinal, desde que não haja mais empecilhos legais (esse risco sempre existe!), porque já faz tempo que se espera essa bendita ponte, que está sendo construída desde 2014 e que, há alguns meses, estava praticamente paralisada, mais pela cheia do rio do que por qualquer outro motivo. Segundo o engenheiro Alan Lacerda, do DNIT, ao falar com entusiasmo sobre o reinício a todo o vapor dos serviços, eles já recomeçaram com os operários trabalhando em turnos, até às três da madrugada. Em julho, quando as águas baixarem ainda mais, toda a temporada de seca será aproveitada, para que a ponte seja concluída o mais rapidamente possível, com três turnos de oito horas. Ou seja: obras ininterruptas por 24 horas. Até o final deste ano, a intenção do Dnit é que todos os pilares estejam prontos, assim como a cobertura sobre a ponte, de um lado ao outro do rio. No primeiro semestre de 2018, certamente novas cheias vão atrapalhar o cronograma, mas a partir do final de junho do ano que vem, começa a fase final: a construção das cabeceiras, para que, em dezembro, ou seja, daqui a um ano e meio, a ponte seja entregue, com toda a pompa e circunstância.

Claro que tudo já deveria estar pronto há muito tempo, mas, para o modelo brasileiro de quando mais demorado melhor, até que não se pode exigir muito mais. Os recursos para a ponte já estão liberados e, segundo reportagem divulgada nos telejornais da SICTV/Record, os serviços não param mais, até que a ponte seja entregue, a um custo final de aproximadamente 140 milhões de reais. Torçamos para que, até que enfim, a cobiçada e sonhada ponte seja mesmo entregue no novo prazo previsto. E o Dnit poderia aproveitar o embalo e anunciar também, oficialmente, quando entregará, totalmente pronta, a ponte sobre o Madeira, no bairro da Balsa. Ela já existe há vários anos, mas numa escuridão inacreditável. É uma ponte que, durante o dia, é linda demais. À noite, sem iluminação alguma, se torna um perigo. E aí, Dnit: vai ou não vai resolver?

 

 

NÃO DEU EM NADA!

Foi como se imaginava. Reunião da Comissão de Infraestrutura do Senado, que pretendia discutir a volta das obras da BR 319, não deu em nada. Convidados, representantes do Ministério Público Federal e do Judiciário nem deram bola para o chamamento dos senadores. Aliás, quem está dando bola para eles, atualmente? Agora, ficou combinado que um grupo de representantes das bancadas federais de Rondônia, Amazonas e outros estados do norte, irão ao encontro dos representantes dos dois poderes. A verdade é uma só: enquanto a legislação brasileira autorizar um juiz, seja quem for, a interromper obras milionárias, apenas por decisão monocrática, todos os pesados investimentos que estão sendo feitos pelo país, estão correndo o risco de ficarem pelo caminho, com as constantes paradas das obras, às vezes por firulas. Tem é que mudar a lei, para que a interrupção de uma obra vultosa como a BR 319, só possa ocorrer através de decisões colegiadas. Hoje, um  juiz ou um  conselheiro de tribunal de contas, podem mandar parar tudo, não importando o prejuízo que tal decisão cause à população ou ao país. Não é a mais pura verdade?

 

O ARRAIAL ESTÁ CHEGANDO

Faltam apenas os 300 mil reais da Prefeitura de Porto Velho, para que todos os preparativos da maior festa cultural do Estado, o Arraial Flor do Maracujá, esteja com tudo pronto para começar, em 3 de julho. Na área do Parque dos Tanques, milhares de pessoas vão assistir, durante 13 dias (até 16 de julho), às apresentações de alguns dos mais importantes grupos folclóricos da região norte. Pena que a grande festa não seja mais divulgada para mais de 150 países, como o foi em anos passados, porque o Ministério Público e o Tribunal de Contas consideram que o Governo não deve investir nessa área, embora ela seja o que de mais importante temos, no campo da nossa história cultural. Mas esse já é outro assunto. Enfim, toda a estrutura do Parque está pronta, para a edição deste ano do Arraial. Com mais de 30 grupos de quadrilhas e Boi Bumbás, comidas típicas, Parque de Diversões e todo o contexto das inúmeras e tradicionais atrações.  A Prefeitura da Capital pretende repassar os recursos através de parcerias com a iniciativa privada, que participarão do evento como patrocinadores.

 

DIREITO DE VIVER NO DOMINGO

 

Neste domingo,  em Porto Velho, será realizada uma grande ação em benefício das obras do Hospital do Câncer de Porto Velho. Pecuaristas, empresários, gente de todas as áreas de atividades e a população em geral, todos estão convidados para o grandioso Leilão Direito de Viver, cuja renda será destinada totalmente para o esforço de conclusão da obra do hospital, uma referência nacional no combate ao câncer e, certamente, onde milhares de vidas serão salvas, quando ele for concluído.  Serão leiloados apenas touros e matrizes Puro de Origem e o evento será realizado na Fazenda Bentevi,  no sentido do Acre, a cerca de 15 quilômetros da área urbana de Porto Velho. Um dos organizadores do grande leilão, o conhecido empresário Adélio Barofaldi, está convocando toda a comunidade da região para prestigiar o evento. Contatos para doação ou compra de ingressos e camisetas pelos telefones 99263-8723 (Danilo); 99981-2730( Fábio); 99982-1308(Homero); 998402-1942(Josué); 98111-8482(Adélio); 98170-0238(Anísio).

 

A NOVELA DA RODOVIÁRIA

Mais um capítulo da novela sem fim da Rodoviária de Porto Velho. O governador Confúcio Moura bem que tentou ao menos iniciar a obra, mas nem ele conseguiu superar tanta burocracia e tanta má vontade de vários organismos, que parecem que não querem que a cidade melhore mesmo. Confúcio então entregou os pontos. Como tem apenas um ano e meio de mandato e já sabendo que terá que enfrentar todos os entraves, antes de poder dar continuidade ao projeto da obra, tomou uma decisão: repassou os 40 milhões de reais, do caixa do Estado, já destinados para a obra e os repassou à Prefeitura de Porto Velho, para que ela sim, durante o mandato de Hildon Chaves, possa concluir a construção da nova rodoviária da Capital. A informação foi dada no final da tarde desta quarta, em Brasília, durante encontro do Prefeito com o senador Valdir Raupp, que foi uma espécie de padrinho do novo acordo. Com o dinheiro disponível, o projeto pronto (aliás, uma maravilha de projeto, que merece ser executado exatamente como planejado), a Prefeitura da Capital correrá atrás para derrubar os entraves burocráticos e legais, para, quem sabe um dia, nos entregar uma rodoviária nova. Uma vergonha o que acontece nesse país, onde obras de fundamental importância para as comunidades são paradas, proibidas, complicadas de todas as formas. Lamentável!

 

DECISÃO ÓBVIA

Não poderia se esperar outro resultado. A lei estadual, aprovada pela Assembleia Legislativa, que autorizava o garimpo de ouro no rio Madeira, dentro da cidade de Porto Velho, foi considerado inconstitucional pelo Tribunal de Justiça. Dessa vez, parte dos deputados jogou para a torcida, tentando agradar os garimpeiros, mesmo sabendo que a lei saída do parlamento rondoniense teria chance zero de passar pelo crivo do Judiciário. O relator do processo, desembargador Daniel Lagos, desconstruiu a lei aprovada em Rondônia, destacando, entre outras coisas, que ela se imiscuía em área exclusiva do Poder Executivo e que, mais que isso, autorizada a livre garimpagem no rio Madeira, como fazia a nova lei, os danos causados ao meio ambiente seriam reais e poderiam se perpetuar. Por enquanto, é uma decisão liminar, já que o mérito não foi julgado. Mas é muito difícil, para não dizer impossível, que uma legislação local se sobreponha às leis federais e a grande preocupação ambiental, com o risco da garimpagem quase no centro de uma cidade de mais de meio milhão de habitantes. Em outras áreas na região, com os devidos cuidados, certamente não haverá proibição ao garimpo do ouro.

 

SÓ PODE SER PIADA!

No programa Rota Policial, da Rádio Rondônia (das 7h às 8h30, de segunda a sábado), um morador de Candeias fez uma denúncia que parece inacreditável, não estivéssemos no Brasil. Segundo o ouvinte do programa comandado por Daniel Junior, que faz o maior sucesso entre o povão, no horário, alguns vereadores de Candeias do Jamari estariam exigindo carros blindados e coletes à prova de balas, pagos com dinheiro público, porque estariam temendo por suas vidas, depois do caso envolvendo o assassinato do então prefeito Chico Pernambuco. O caso parecia só mais uma daquelas gozações, inventadas pelos criativos brasileiros, para, com bom humor, criticar duramente a classe política. Pior que não é mentira. Há sim um movimento de edis (segundo o programa), pressionando para receberem a tal proteção especial. O advogado Caetano Neto, que participa do programa, resumiu o circo:” vão se lixar!”, disse ele, entre outros “elogios”…

 

PERGUNTINHA

O que você achou do Supremo não ter julgado o pedido de prisão contra o senador afastado Aécio Neves, do PSDB e mandado para prisão domiciliar, com tornozeleira, a irmã dele, ambos acusados de vários crimes de corrupção?

Comentários

comentários