Há, aqui e ali, mas principalmente nos discursos efusivos de sempre, quem comemore a perspectiva de que a BR 364 seja privatizada e, com isso, que todos os graves problemas que ela apresenta sejam resolvidos. Menos, menos! A nossa Rodovia da Morte faz parte de um pacote de privatizações que está sendo anunciado pelo governo federal e já pode ser concretizado no ano que vem. Teoricamente, seria uma benção. Não há dinheiro público para a duplicação e a salvação seria entregar à iniciativa privada que, com financiamentos e pedágios, teria o dinheiro suficiente para realizar todas as obras, num curto prazo, acabando por vez com tantos acidentes, feridos e mortos, no trecho que começa em Vilhena, na fronteira com Mato Grosso e chega ao Acre, com aproximadamente 1.200 quilômetros. Calma aí! Só para se ter ideia, das rodovias federais privatizadas no governo Dilma Rousseff, todos os pedágios funcionam muito bem, mas apenas 17 por cento dos trechos contratados foram realmente duplicados. Nas rodovias BR 040 (entre o DF e Minas); BR 050 (Goiás e Minas); BR 163 (Moto Grosso e Mato Grosso do Sul) e as BRs 060, 153 e 262, também entre Brasília e Minas, dos 3.162 quilômetros que deveriam ser duplicados, foram feitos apenas 548, ou seja, um pouco mais de 17 por cento. As desculpas são sempre as mesmas: exigências nos contratos que não puderam ser cumpridas por falta de recursos; falta de apoio dos organismos oficiais; quebradeira das empresas e por aí vai. Todas receberam, religiosamente, os benefícios dos contratos. Mas na hora de cumprir suas partes, foi a história de sempre.

Para BR 364, está planejada a duplicação, mas num prazo que não se sabe ainda, claramente, quanto enorme será. Mas o que se ouve é que, em relação ao projeto  original, prestes a ser autorizado pela União, só no trecho entre Vilhena e Porto Velho, poderá haver  entre sete e oito pedágios. Caso isso se confirme, ao usar a BR  onde hoje ninguém paga nada, o condutor terá que desembolsar, no mínimo, algo em torno de 100 reais, nos valores atuais, por um trajeto de pouco mais de 700 quilômetros. Se não for mais. E isso sem que se saiba em quantas décadas teremos a tão necessária duplicação, ao menos nos trechos mais perigosos e mortais da nossa principal BR. Ou seja, o que pode acontecer é que a única obra imediata na rodovia, seja apenas a construção dos postos de pedágio. Sem querer ser pessimista demais, é bom a gente esperar para ver, antes de se encantar com os discursos eufóricos…

 

 

MENTIROSOS CONTUMAZES

Outra mentira. Artistas da Globo produziram um vídeo dizendo que há um ataque às artes no Brasil, até para, segundo eles, esconder a podridão da política, que é o verdadeiro problema brasileiro. Não há contestação em relação a política, mas sobre artes, há sim. Eles querem impor sua verdade e suas teorias ideológicas sobre todos, tentando enganar a opinião pública, de que há uma campanha aberta de censura às artes como um todo. Claro que não há. O que há é uma gritaria geral contra a pedofilia e o fato de uma menina de seis anos ser levada a uma exposição, apenas para tocar um homem adulto nu. Contra isso sim, há protestos generalizados. Que, aliás, fazem parte do jogo democrático, até porque ninguém é obrigado a concordar com tudo o que os poderosos da Globo dizem. Ao dizer que há uma perseguição contra a arte e os artistas, os globais estão evidentemente emitindo uma mentira deslavada e criminosa. Que defendam seus pontos de vista, mas o façam com sinceridade. O engodo de que o verdadeiro mote das críticas a exposições que levam crianças para conviver com homens nus é a censura às artes, é uma faceta absurda e doentia de quem quer impor ao país seus gostos, suas crenças, suas verdades. Vão pros quintos dos infernos!

 

O LÍDER DO PMDB E OS TAXISTAS

O caso do polêmico projeto do senador Acir Gurgacz que envolve a proibição de taxistas fazerem transporte de pessoas e mercadorias em viagens intermunicipais, continua rendendo muitos debates. O senador Ivo Cassol fez duro pronunciamento no Senado contra a proposta, o que acabou desencadeando mais uma batalha de troca de acusações entre ambos. Mas, na prática, a proposta tem recebido sim muitas críticas. Além das lideranças dos taxistas (centenas deles se reuniram, por exemplo, em Ji-Paraná, para protestarem contra o projeto já aprovado no Senado), outras vozes estão considerando que ele é muito prejudicial à categoria. Um dos que se colocou contra o projeto de Acir foi de um dos principais líderes do PMDB, o ex prefeito e ex senador Tomaz Correia. Num vídeo postado nas redes sociais, Tomaz diz que o próprio Judiciário, em vários Estados, já considera que é totalmente legal os táxis realizarem transporte entre cidades, desde que corretamente registrados em sua base. Além disso, argumenta, o passageiro tem o direito líquido e certo de optar o transporte que quer utilizar. Para ele, ninguém é obrigado a usar ônibus. Enfim, o caso ainda vai longe. Gurgacz continua dizendo que seu projeto só atinge os taxistas ilegais.

 

ARIQUEMES E OS JOVENS MORTOS

Embora ainda a violência seja assustadora, os índices de mortes em Porto Velho e Rondônia, por assassinatos, têm diminuído. Parece irreal, mas não o é. Os índices são oficiais e incontestáveis. Mas, ainda temos um grave problema numa das nossas cidades, essa sim, uma espécie de centro de execução de jovens. Trata-se de Ariquemes, o município em que há maior percentual de mortes violentas de jovens em toda a região norte. Em outras regiões do país, do total de assassinatos de crianças e adolescentes, o número não ultrapassa o máximo de 4 por cento, em Ariquemes esse percentual já bateu na casa dos 6 por cento. Depois de Ariquemes, a cidade da região mais violenta contra os jovens é Altamira. Os estudos foram feitos pela Unicef, em parceria com a Secretaria Nacional de Direitos Humanos e outros organismos. O Vale do Jamary, aliás, continua sendo a região mais violenta do Estado. Já em Porto Velho, embora a criminalidade seja cada vez maior, ao menos nos percentuais de crimes violentos, estamos melhorando. Em termos nacionais, nossa Capital está em 23º lugar entre as 27 do país, com 2,47 crimes de morte contra jovens, por 100 mil habitantes. Anda é muito, mas já melhorou…

PRESÍDIO PENEIRA

Por falar em Ariquemes, o Hotel de Alta Rotatividade, também conhecido como   Centro de Ressocialização, mas que na verdade deveria ter o nome de Presídio Peneira, registrou mais uma fuga de vários presos. Uma moleza. Foram quatro escapadas fáceis, em pouco mais de um mês. Os bandidos, quando são pegos pela polícia, já pedem para ser levados para lá, tal a facilidade com que conseguem escapar. Ficam um dias, comem, bebem e dormem e, quando se sentem bem de novo, saem como se estivessem fazendo um passeio turístico. A coisa virou gozação até para os presidiários. Um deles, que já fugiu outras vezes de outras cadeias, logo depois de escapar encheu sua página do Facebook com várias fotos, inclusive mostrando armas pesadas e sofisticadas. Dizem por lá que o tal cidadão, que transitou apenas pelo hotel de alta rotatividade, saindo na moleza, é responsável por vários novos crimes em toda a região. É lamentável o que ocorre. Os bandidos morrem de rir dos discursos de “Ressocialização” das autoridades, que podem enganar a população, mas, claro, não são levadas a sério pelos criminosos. Eles é que mandam. E fazem o que querem.

 

CÂMARA COM 25 VEREADORES?

A cada dia, novas provas concretas e robustas de que o mundo dos políticos é um; dos seus eleitores é outro. Talvez só um compêndio de vários enciclopédias poderiam enumerar todas as situação que comprovam o quanto o Planeta Político gira distante do Planeta da população comum. O último e lamentável exemplo vem da Câmara de Vereadores de Porto Velho. De novo. Enquanto a população clama por menos gastos, menos gente mamando na política, estruturas mais enxutas, o tema que se discute com intensidade por lá é…o aumento do número de cadeiras. Porto Velho tinha 16 nobres edis, aumentou agora parda 21 e, por ter mais de 500 mil habitante, teoricamente poderia ter 25 vereadores eleitos. Isso já seria uma tristeza e um lamento. Pior é a desinformação jogada pela classe política. Uma delas, de que um debate que estaria no Supremo, poderia aumentar ainda nessa legislatura o total de cadeiras. Absurdo. Primeiro: a lei não tem efeito retroativo. Só poderia haver alguma mudança na próxima legislatura. Segundo: isso dependeria de uma nova lei, proposta pela Prefeitura e aprovada na Câmara. Será que a população permitiria mais esse exagero? Esperemos para ver…

DÉCADAS PERDIDAS

Bastou um temporal de menos de uma hora para que várias áreas em Porto Velho e principalmente na pobre e sempre abandonada zona leste, virasse um misto de rua, canal, rio…Dezenas de casas foram invadidas pelas águas. Ventos fortes derrubaram árvores, canais ficaram novamente entupidos com tanta sujeira e lixo e houvesse grandes prejuízos para muita gente, principalmente os que são obrigados a morar em regiões onde os riscos são maiores. Mereceria algum comentário um fato tão corriqueiro em Porto Velho? Merece sim, exatamente por ser uma repetição de algumas décadas. Há locais em Porto Vellho que ficam inundados hoje, como ficavam nos anos 70 e 80. Parece que nesses anos todos, nada foi feito para amenizar o problema. Há alguma melhora aqui e ali; em alguns poucos bairros, em algumas poucas ruas, mas, na essência, tudo continua igual. É um problema infernal, que precisa começar a ser atacado agora, para que tenhamos uma solução para daqui uns 20 ou 30 anos. Já perdemos pelo menos quatro décadas, fazendo quase nada. Não está na hora de a Prefeitura tomar coragem e começar agora um grande programa real de combate a alagações? Mas fazer mesmo, porque de discurso e promessas, o porto velhense já está de saco muito cheio…

PERGUNTINHA

Se você tivesse direito a voto, no Senado, livraria a pele do tucano Aécio Neves ou autorizaria que ele fosse processado pelo STF, para responder pelos  crimes de corrupção de que ele é acusado?

Comentários

comentários