Protagonista em todos os filmes da franquia, ator retorna em ‘Efeito Fallout’, que estreia nacional hoje.

‘Missão Impossível: Operação Fallout’ virou notícia muito antes de estrear nos cinemas. Seu principal astro, Tom Cruise, sofreu uma fratura no tornozelo ao filmar uma cena na qual ele salta de um prédio para outro – o ator tem a fama de dispensar dublês em cenas perigosas. (PS: A cena está no filme e Cruise sai mancando dela). Além disso, o ator Henry Cavill também esteve na berlinda. O bigode que ele usa no filme – e que a Paramount não permitia a remoção nem a pau – deu uma bela dor de cabeça aos produtores de ‘Liga da Justiça’, filme no qual Cavill interpreta o Superman. No filme dos super-heróis, o Bigode teve que ser removido digitalmente, nem sempre com resultado satisfatório. Cavill disse, em entrevista, que as duas coisas tiveram relação. A fratura de Cruise inevitavelmente atrasou o cronograma de filmagens de ‘Missão Impossível’. Era para tudo já estar terminado quando Cavill foi requisitado para refilmar cenas de ‘Liga da Justiça’. Mas não estava tudo terminado. A Paramount venceu a queda-de-braço e agora é hora de conferir o resultado, já que ‘Missão Impossível: Operação Fallout’ estreia nesta quinta-feira (26)  em Curitiba.

Imbróglio à parte, o sexto capítulo da franquia Missão Impossível tem algo que acomete os cinco filmes anteriores e quase todos os filmes de Tom Cruise: deixa claro o tempo todo que é um filme de Tom Cruise, independente do papel que ele desempenha. Seu Ethan Hunt não difere muito de Nick Morton (do novo ‘A Múmia’), nem de Jack Reacher (do filme homônimo), nem do militar Daniel Kaffee (‘Questão de Honra’), nem do capitão Nathan Algren (‘O Último Samurai’) nem do piloto de aviões Maverick (‘Ases Indomáveis’), nem do piloto de carros Cole Trickle (‘Dias de Trovão’)… Um mocinho de ação, que tenta esbanjar jovialidade, que em algum momento fará uso do seu belo sorriso, que faz questão de aparecer em um monte de cenas de ação, que vai beijar a mocinha…

Por sorte, ‘Missão Impossível: Operação Fallout’ é o tipo do filme que anda sozinho. O básico do roteiro é manjado. Há um plano para uma determinada operação. O plano dá errado. A equipe de Missão Impossível fica por conta própria. O plano é jogado fora. Faz-se outro plano de improviso — em que a frase “eu dou um jeito” é indefectivelmente dita — para conter uma encrenca muito maior. Tudo recheado com cenas de impacto e reviravoltas. O diferencial não é o ponto de chegada, e sim a viagem. Desta vez, a equipe do agente Ethan Hunt tenta impedir que uma carga de plutônio vá parar nas mãos de um grupo terrorista de dissidentes do Sindicato – supostamente eliminado em ‘Missão Impossível: Nação Secreta’. Se os caras maus colocarem a mão na carga, poderão construir bombas nucleares. Por sorte, Hunt conta com Luther (Ving Rhames), Ilsa (Rebecca Ferguson) e Benji (Simon Pegg) ao seu lado.

Cruise está na pele de Ethan Hunt desde 1996. Na época do lançamento do primeiro ‘Missão: Impossível’, ele tinha 34 anos. Hoje, está com 56. A diferença de aspecto está escancarada. Seu desempenho nas cenas de ação, idem. Certo fez Hugh Jackman, que aposentou (pelo menos é o que ele declarou) seu Wolverine com ‘Logan’, após 17 anos e sete filmes (mais duas pontas) na pele do herói. Jackman ainda contou com um trunfo: em ‘Logan’, o Wolverine está velho e qualquer pifada em cena de ação causada pela idade do ator – que tinha 48 anos quando o filme foi lançado – se justifica e/ou se perdoa pelo contexto da história.

Mas Cruise talvez não tenha percebido o tempo passar. Mesmo com 56 anos e em seu sexto filme de ‘Missão: Impossível’, ele ainda tenta passar por um agente quarentão. Mas não é mais apenas um quarentão, e isso cobra um preço. Cenas como as que ele luta com o personagem de Henry Cavill – vinte anos mais jovem e pelo menos 10 cm maior – ficam difíceis de acreditar. Mais um pouco, impossível será acreditar que Tom Cruise dará conta dessas missões.

Comentários

comentários