Ideb é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), formulado para medir a qualidade do aprendizado nacional e estabelecer metas para a melhoria do ensino.

O Ideb funciona como um indicador nacional que possibilita o monitoramento da qualidade da Educação pela população por meio de dados concretos, com o qual a sociedade pode se mobilizar em busca de melhorias. Para tanto, o Ideb é calculado a partir de dois componentes: a taxa de rendimento escolar (aprovação) e as médias de desempenho nos exames aplicados pelo Inep. Os índices de aprovação são obtidos a partir do Censo Escolar, realizado anualmente.

As médias de desempenho utilizadas são as da Prova Brasil, para escolas e municípios, e do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), para os estados e o País, realizados a cada dois anos. As metas estabelecidas pelo Ideb são diferenciadas para cada escola e rede de ensino, com o objetivo único de alcançar 6 pontos até 2022, média correspondente ao sistema educacional dos países desenvolvidos.

Bem posicionada
Porto Velho se destaca no ranking do Ideb do ensino médio público das capitais

Goiânia (GO) – 4,4

Vitória (ES) – 4,2

Fortaleza (CE) – 4

Curitiba (PR) – 3,9

Recife (PE) – 3,9

Porto Velho (RO) – 3,8

São Luís (MA) – 3,8

Aracaju (SE) – 3,7

Campo Grande (MS) – 3,7

Maceió (AL) – 3,6

Rio Branco (AC) – 3,6

Palmas (TO) – 3,6

São Paulo (SP) – 3,6

Florianópolis (SC) – 3,5

Boa Vista (RR) – 3,4

Belo Horizonte (MG) – 3,3

João Pessoa (PB) – 3,3

Manaus (AM) – 3,3

Rio de Janeiro (RJ) – 3,3

Teresina (PI) – 3,3

Macapá (AP) – 3,1

Cuiabá (MT) – 3

Belém (PA) – 2,9

Salvador (BA) – 2,6

* Natal (RN) e Porto Alegre (RS) não receberam nota na última edição do Ideb porque o número de participantes no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) foi insuficiente para que os resultados fossem divulgados.

Comentários

comentários