Amadeu Hermes Santos da Cruz é o que se pode chamar de otimista elevado à terceira potência. É um rondoniense que vê nas crises a oportunidade de crescer. Enquanto tem muita gente temendo que a situação da China, com a chegada do coronavírus, possa diminuir nossas exportações, já que os chineses se tornaram nossos principais clientes, Amadeu vai na contramão do alarde pessimista. “Pelo contrário: vamos crescer muito mais, tanto na exportação de soja como a de carne!”, prenuncia. Diretor Presidente da Sociedade de Portos e Hidrovias de Rondônia, com apenas um ano no comando do setor, Amadeu já conseguiu dar uma sacudida, principalmente no chamado Porto Organizado de Porto Velho. São números incontestáveis: aumento de 237 por cento no número de containers exportados em 2019; aumento de meio milhão de toneladas exportadas de soja. O aumento da soja exportada chegou a 17 por cento, em pouco mais de um ano. Mas o melhor está por vir, avisa. Em parceria com o Acre e, principalmente com a Bolívia, a região poderá produzir, em breve, algo em torno de 70 milhões de toneladas da soja, além de milho, plumas e caroços de algodão, que serão exportadas pelos portos da Capital rondoniense.

Mas e os investimentos chineses, vão diminuir? Amadeu diz que a China, de vez em quando, se utiliza de crises para tentar conter o valor do preço das commodities, já que tem uma estrutura que a tornou um dos maiores importadores de alimentos no mundo. O caso coronavírus é apenas mais uma. A questão essencial, que comprova que as coisas ao invés de piorar, vão é melhorar nos negócios com um país que tem 1 bihão e 300 milhões de habitantes, o maior mercado consumidor do Planeta, são os pesados investimentos que os chineses estão fazendo não só em Rondônia, mas no momento, principalmente na Bolívia. Um exemplo concreto disso é que empresários da China estão construindo uma ponte sobre o rio Madre de Dios (o nome do Rio Madeira do lado boliviano, perto da divisa do Peru), com investimentos superiores a 48 milhões de dólares, hoje, cerca de 204 milhões de reais. A ponte vai facilitar o escoamento das safras de soja daquela região, até o Brasil, onde chegará ao Porto Organizado de Porto Velho e dali seguirá para mercados internacionais. Na questão da carne, Amadeu vê também horizontes positivos. Quando as exportações começarem a passar pelo Porto Organizado de Porto Velho, haverá uma grande diminuição no custo final do produto, o que nos tornará, ainda mais competitivos no mercado internacional. Há quem viva temendo o futuro. Não é o caso do diretor do Porto. Amadeu da Cruz, que só vê novas e boas oportunidades no futuro.

CAMPEÕES MUNDIAIS ENTRE OS OTÁRIOS

Quem não é tão jovem, ainda lembra muito bem: tratados como idiotas pelo Denatran, os motoristas brasileiros foram obrigados a comprar um tal de kit primeiros socorros. Algum malandro, algum gênio do mal, decidiu que se houvesse um acidente, o motorista deveria ter um kit para ajudar os feridos. Hoje dá vontade de rir por termos caído nessa conversa absurda, mas à época, o kit era uma inovação mundial, que transformava os motoristas em médicos e enfermeiros. A doentia iniciativa durou pouco, deixando milhões de brasileiros com cara de otário, com tudo o que gastaram. Depois, foi o caso da exigência de um tipo específico de extintor, mais uma vez numa iniciativa fútil, mas criativa, para arrancar dinheiro dos panacas. Todos pensaram que as coisas iriam mudar. Só se for para pior. Por isso, não será surpresa alguma se, em breve (anotem!) sermos informados que a placa do Mercosul, caríssima aliás, não será mais necessária. “Desculpe-nos. Foi um erro”! Teremos que substitui-las novamente por uma placa normal e, obviamente, pagar por ela. É só questão de tempo. Espere para ver…

OAB EM DEFESA DA EFMM

A maioria dos órgãos chamados responsáveis não tomaram nenhuma atitude., ao menos até agora. Por isso, é louvável a ação anunciada pela subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, presidida pelo competente e dedicado Elton de Assis, que vai entrar de sola contra a destruição das peças históricas da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. Parte do patrimônio anda sendo destruído, não se sabe com autorização de quem. Peças centenárias estão sendo cortadas em pequenos pedaços e transformadas em sucata Como se tudo fosse apenas velharias sem utilidade e que podem ser jogadas nas fornalhas das indústrias ou utilizadas como pedaços de ferro vendidas a quilo, para alguém ganhar um dinheirinho. A OAB vai exigir que sejam tomadas as providências contra quem de Direito, nesse caso do sumiço das peças. A entidade dos advogados vai entrar com ações civis públicas, cabíveis no caso, além de buscar a responsabilidade criminal. Nos próximos dias, a OAB vai dar detalhes dos processos que pretende entrar no Judiciário, em defesa da preservação da nossa História, onde nosso maior patrimônio é a EFMM.

TEMOS TAMBÉM GRUPOS DE EXTERMÍNIO

As leis absurdas, doentias, nojentas, de proteção clara ao crime, criou no Brasil tal sentimento de impunidade que, para os bandidos, a vida humana não tem qualquer valor. Sabem que estão quase imunes. Que, presos, serão tratados como “vítimas da sociedade”, que não lhes deu chance de ser decente. Como se eles tivessem mais direitos que os milhões e milhões de brasileiros pobres, trabalhadores, corretos, que trabalham de sol a sol e são cumpridores das leis. Nessa semana, quando a polícia rondoniense (aliás, extremamente eficiente, na sua grande maioria dos seus integrantes), prendeu gangueiros que matavam adversários de outras facções, isso ficou muito claro. Participava da gangue um advogado, que com sua atuação agia na defesa dos bandidos e é denunciado como membro importante do grupo de extermínio. Pelo menos seis assassinatos foram cometidos em poucas semanas pelo grupo. Uma das vítimas, um trabalhador simples, foi assassinado porque namorava uma jovem que interessava a um dos chefes da gangue. Matam, trucidam, brutalizam. Quando vão presos, têm o aval de muitas leis que ainda persistem. Quando gente desse tipo receber penas para apodrecer na cadeia, toda essa criminalidade vai acabar. Até lá, seremos reféns das “vítimas da sociedade”.

O RISCO É PERTO DO ZERO

Embora o casal rondoniense suspeito de poder ter sido contaminado pelo coronavírus continuar sob observação, o Ministério da Saúde, desde a segunda-feira, descartou essa possibilidade. O próprio ministro da saúde, Henrique Mandetta, postou comentário nas redes sociais avisando que o caso da dupla não se enquadra no contexto da preocupação com o perigoso vírus que está assustando o mundo. Mesmo assim, a Secretaria de Saúde do Estado mantém o casal isolado, em sua casa, até que cheguem os resultados de todos os exames feitos. Só então vai eliminar completamente a possibilidade de contágio. O casal teria compartilhado um táxi com um chinês, em São Paulo, que estaria tossindo muito. Quando voltou a Porto

Velho, os dois sentiram problemas de febre e outros sintomas. Por enquanto, o caso da dupla não faz parte das preocupações e dos números do Ministério da Saúde. Mas estão sob o controle da Sesau. Todos os resultados saem até essa sexta, dia 7.

GASOLINA: PREÇO E DEMAGOGIA

Quem tem razão? O presidente Bolsonaro quer por na conta dos governadores, a responsabilidade maior pelo alto custo dos combustíveis alegando que basta eles baixarem o valor desse imposto, para que a gasolina, por exemplo, custe bem menos ao consumidor final. Já nos Estados, claro que ninguém quer nem ouvir falar no assunto. O ICMS é um tributo vital para os cofres públicos estaduais e, qualquer perda, pode representar um rombo na arrecadação. No meio disso tudo, fica o pobre brasileiro, prensado entre uma infinidade de impostos, taxas, emolumentos e outros quetais cobrados tanto pela União quanto pelos Estados e, para piorar ainda mais, pelos municípios. Ora, uma pequena renúncia do governo federal a uma fatia mínima do que cobra no contexto do preço da gasolina e um pouquinho a menos cobrado no ICMS dos Estados, não representaria grandes benefícios ao consumidor? Claro que sim. O problema é que o tema é tratado com demagogia e má vontade. Todos querem gasolina, óleo diesel e gás mais barato, desde que quem abra mão de arrecadar seja o outro. Desse jeito, o assunto jamais será tratado com a seriedade que merece. Bolsonaro empurra o problema para os Governadores e eles lhe devolvem no mesmo tom. Entre os poderosos, ficamos nós, pobres coitados, pagando preços abusivos. Estamos mesmo ferrados…

AMBULANTES SAEM. SÓ DO SHOPPING?

A Prefeitura da Capital, afirmando estar cumprindo exigências do Ministério Público, está retirando ambulantes de algumas áreas da cidade, até que eles se regularizem e escolham outros pontos da Capital, que não os proibidos, para continuarem exercendo seu trabalho e mantendo a sua sobrevivência e de suas famílias. O foco principal são os ambulantes que trabalham nas entradas do Porto Velho Shopping. Várias pessoas já notificadas procuraram a Prefeitura, para sua regularização. O que deixa muitas perguntas no ar é o porquê das exigências do MP se referirem apenas à região do Shopping. E os que tomaram conta de pelo menos duas praças no centro da cidade, uma delas, aliás, que não existe mais há anos? E a invasão de ambulantes que comercializam dezenas de produtos diferentes na área do Espaço Alternativo, sem serem importunados? Espera-se explicações das autoridades chamadas competentes dos motivos pelos quais só os ambulantes que vendem seus produtos em frente ao centro comercial da Rio Madeira terão que se regularizar e trocar de lugar para continuar trabalhando. E todos os outros? Liberou geral, menos para os que de alguma forma prejudicam o poderoso Porto Velho Shopping? Perguntar não ofende…

OLHOS: MIL CIRURGIAS EM JI-PARANÁ

Um milhão de reais. Esse o valor liberado pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Laerte Gomes, para apoiar programa do Governo do Estado na realização de cerca de mil cirurgias oftalmológicas em Ji-Paraná. Pacientes também de várias cidades próximas serão atendidos. A autorização aconteceu na manhã desta terça, numa reunião de Laerte com os secretários Fernando Máximo, da Saúde e Júnior Gonçalves, da Casa Civil. Júnior garantiu que o governo fará todo o esforço para que os recursos liberados através de emenda parlamentar de Laerte sejam destinados ao mutirão de cirurgias o mais urgente possível. O mutirão está acabando com uma fila que, em alguns casos, havia pacientes que esperavam há anos para serem atendidos. Da bancada federal, o principal apoio veio da deputada Jaqueline Cassol, para o programa que se realiza também no interior do Estado. Não são poucos os pacientes que têm que operar os dois olhos e vão voltar a enxergar normalmente. Ao lançar oficialmente o programa no interior, essa semana, o governador Marcos Rocha disse que a meta é zerar a fila desse tipo de cirurgia.

PERGUNTINHA

Você, que gosta de cinema e vai acompanhar a premiação do Oscar neste domingo, direto de Holywood, acha que as produções melhoraram de qualidade apenas pela tecnologia ou principalmente por atuações históricas de grande atores e atrizes?

Comentários

comentários