O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), realizou na noite desta terça-feira (30 de março) seu quarto pronunciamento em rede nacional para falar sobre a crise do novo coronavírus. E desta vez, mudou o tom. Deixou de lado termos como “resfriado” ou “gripezinha” para falar sobre a Covid-19 e pediu um pacto nacional para o enfrentamento da pandemia. Segundo ele, “estamos diante do maior desafio de nossa geração”.

“O vírus é uma realidade. Ainda não existe vacina contra ele ou remédio com eficiência cientificamente comprovada, apesar de a hidroxicloroquina parecer bastante eficaz. O coronavírus veio e, um dia, irá embora. Infelizmente, teremos perdas no caminho. Eu mesmo já perdi entes queridos no passado, e sei o quanto é doloroso. Todos nós temos que evitar, ao máximo, qualquer perda de vida humana.”

Na sua última aparição em TV, Bolsonaro havia criticado prefeitos e governadores pelas medidas de isolamento social e também culpou a mídia por espalhar pânico entre a população. Desta vez, porém, foi orientado pela ala militar do governo e, após conversa com o ex-comandante do Exército general Villas Bôas e ministros militares e da área jurídica, parece ter sido convencido de mudar a forma como se refere à crise que se instala.

Foram quase oito minutos de fala do presidente, nos quais Bolsonaro sopesou mais a questão entre saúde pública e economia, falando em preservar “vidas e empregos”.

“Na última reunião do G-20, nós, os chefes de Estado e de governo, nos comprometemos a proteger vidas e a preservar empregos. Assim o farei”, declarou o presidente. “Minha preocupação sempre foi salvar vidas. Tanto as que perderemos pela pandemia como aquelas que serão atingidas pelo desemprego, violência e fome.”

Bolsonaro recorreu novamente à fala do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, mas desta vez não usou, ao menos de forma explícita e direta, uma interpretação equivocada e editada de seu discurso para criticar frontalmente isolamento social.

“Não me valho dessas palavras para negar a importância das medidas de prevenção e controle da pandemia, mas para mostrar que, da mesma forma, precisamos pensar nos mais vulneráveis. Essa tem sido a minha preocupação desde o princípio. O que será do camelô, do ambulante, do vendedor de churrasquinho, da diarista, do ajudante de pedreiro, do caminhoneiro e dos outros autônomos, com quem venho mantendo contato durante toda minha vida pública?”

O presidente também destacou uma série de medidas tomadas pelo governo, como o congelamento dos preços de remédios por 60 anos, que ele próprio anunciou nesta terça, e já próximo do fim do discurso agradeceu e se solidarizou com os profissionais de saúde pelo “empenho e sacrifício pessoal”, além do pessoal “da área de segurança, caminhoneiros e todos os trabalhadores de serviços considerados essenciais (…), bem como aos homens e mulheres do campo, que produzem nossos alimentos.”

“Com esse mesmo espírito, agradeço e reafirmo a importância da colaboração e a necessária união de todos num grande pacto para preservação da vida e dos empregos. Parlamento, Judiciário, governadores, prefeitos e sociedade. Deus abençoe o nosso amado Brasil.”

video

Comentários

comentários