Há vários exemplos das sequelas que o coronavírus deixa nas pessoas afetadas, mesmo depois de livres da doença. Os efeitos colaterais podem atingir o contaminado, em alguns casos, por vários anos, embora, é claro, na grande maioria das curas, não fique consequência alguma. Em Rondônia, do total de afetados pela doença, 83 por cento já se recuperaram. Muito poucos têm sequelas mais sérias. Mas, é importante destacar que, receber a notícia de que está curado da Covid 19, não significa que o paciente se recuperou de todas as complicações. Nos casos mais graves, principalmente depois de longas internações em UTIs e entubações prologadas, há risco de sequelas no cérebro, nos rins, nos pulmões e coração, mas também, em função da pesada medicação, pode causar a chamada hepatite medicamentosa. Esse caso específico, ocorreu aqui mesmo, com o secretário Fernando Máximo, que ainda se recupera da doença. No caso do pulmão, o alvo favorito do vírus, a volta ao normal é mais difícil. Depois da recuperação, a inflamação pode persistir por semanas, comprometendo o funcionamento do órgão. Podem ficar cicatrizes, chamadas de fibroses, no geral irreversíveis, porque o corona deflagra uma inflamação intensa nos alvéolos e nos pequenos vasos sanguíneos. Fraqueza pulmonar, danos neurológicos, déficits de concentração, menos apetite e até mudanças no humor, fazem parte do que, até agora, já é conhecido como consequências dessa doença, da qual só nos livraremos com vacinas de impeçam que ela chegue ao nosso organismo.

No caso específico do secretário Fernando Máximo, ele foi atingido por uma forma agressiva do vírus e está enfrentando as sequelas. Na linha de frente na guerra contra a doença, desde a primeira hora, Máximo chegou a trabalhar 16 horas por dia, sem se alimentar corretamente, dormindo pouco, “almoçando”, em alguns dias, por volta das cinco da tarde. Seu organismo fragilizou, certamente. A guerra contra a pandemia foi e é uma grande batalha, que, nos últimos dias, ele comanda apenas a distância, pelas sequelas da Covid, que seu organismo ainda enfrenta. Fernando Máximo teve, por exemplo, 50 por cento do seu pulmão comprometido. Ainda está fazendo fisioterapia, para se recuperar. Teve também, por conta do volume de remédios que tomou, uma hepatite medicamentosa, que elevou seus níveis de dosagem do fígado dos normais 400 para quase 2.600. Depois que o vírus sumiu, o secretário continua em casa, fazendo tratamento, fisioterapia, medicado e seu organismo vai retornando, aos poucos, a alguma coisa perto da normalidade. Nessa sexta, ele se submete a mais um pacote de exames, para saber exatamente como está sua recuperação, até aqui. Cuidados, fisioterapia, medicamentos, repouso. Com essas medidas, o secretário espera voltar em breve às suas atividades normais. Ele continua agradecendo às centenas e centenas de mensagens que recebeu e às orações de todos os que o conhecem e admiram seu trabalho, pelo restabelecimento de sua saúde o mais rápido possível.

QUASE 39 MIL JÁ ESTÃO RECUPERADOS

A única boa notícia relacionada com a Covid em Rondônia, nessa quinta-feira, foi o grande número de pessoas que se livraram da doença, depois de infectadas. Quase 39 mil dos 46.676 casos confirmados, mais de 83,55 por cento do total estão livres da doença. Não há números exatos dos que ainda enfrentam sequelas, mas esse número é bastante baixo. O número de pessoas contaminadas voltou a subir. Foram 615 novos casos num só dia, segundo o boletim da Sesau, dos quais 193 em Porto Velho e 162 em Ariquemes, cidade onde a doença voltou com força. Foram também mais 12 mortes, quatro delas na Capital e duas em Vilhena. Ariquemes, Guajará Mirim, Jaru, Rolim de Moura e Alta Floresta tiveram um óbito cada. Até a noite da quinta, 993 vidas foram perdidas no Estado, desde o 1º de maio, quando a primeira morte foi registrada. Os últimos boletins oficiais mostram o aumento no número de casos e de vítimas fatais no Estado, ao contrário das últimas duas semanas, quando houve uma queda de registros de afetados e mortos pela pandemia.

NADA MUDOU NA DECISÃO DE HILDON DE NÃO CONCORRER

Mais duas semanas. É esse o tempo que Hildon Chaves ainda vai esperar, antes de anunciar publicamente que não é candidato à reeleição. A transferência do anúncio, pelo Prefeito foi confirmada na manhã desta quinta. Antes de falar à toda a imprensa, sobre sua decisão, Hildon ainda quer resolver algumas questões, inclusive dentro do seu partido. Que ele não irá à reeleição, não resta a menor dúvida. Já decidiu isso com sua família, já comunicou a amigos mais próximos e a assessores com quem tem contato diário. Quer mesmo é se assegurar que todas as obras que estão em andamento em seu governo andam dentro dos cronogramas, que não faltem recursos e quer acompanhar pessoalmente todas elas. Houve aqui e ali alguns eventuais comentários de que a transferência da coletiva da quinta, seria sintoma de que ele poderia mudar de ideia. Sem chance. A decisão está tomada. O que se sabe também é que a deputada federal Mariana Carvalho não entra na disputa pela Prefeitura. O PSDB, por enquanto, tem dois nomes: os dos vereadores Maurício Carvalho e Alan Queiroz. Há uma terceira via: Lindomar Garçon, do Republicanos, vai batalhar pelo apoio dos tucanos.

EYDER E CHRISÓSTOMO: NOMES DO PSL PARA A CAPITAL

O PSL ainda não chegou a um acordo sobre o nome do partido que será lançado como candidato à Prefeitura de Porto Velho. O deputado estadual Eyder Brasil, líder do governo do Estado na Assembleia, reafirmou que está colocando seu nome como pré candidato em novembro. É um nome novo, importante e que está fazendo um bom mandato, mas, ao menos até agora, não houve sinalização de que terá o aval do Palácio Rio Madeira/CPA, até porque o governador, que era companheiro de partido de Eyder, não é mais. Está sem partido. Outro problema é que um grupo que tem à frente o empresário de Vilhena, Jaime Bagattoli, que por pouco não se elegeu ao Senado (e que está liderando a criação do Aliança pelo Brasil, o novo partido do presidente Bolsonaro) quer que o candidato na Capital seja o deputado federal Coronel Chrisóstomo.

GOVERNADOR SÓ SE PRONUNCIOU SOBRE ARIQUEMES

Tanto Bagattoli quanto Chrisóstomo se transformaram, de parceiros de primeira hora, em adversários duríssimos do governo Marcos Rocha. O deputado do PSL, aliás, tem feito vídeos extremamente agressivos contra o governo que ele diz que ajudou a eleger. Sem cargos na administração estadual e sem qualquer influência que pretendia ter, Chrisóstomo tem apenas o grupo de Bagattoli para ajudá-lo na missão de se tornar candidato. Ele e Eyder Brasil, até o momento, são os nomes que o PSL tem para a disputa, caso tiver mesmo alguém comandando uma chapa à Prefeitura. O Palácio Rio Madeira, até agora, tem se mantido ao largo dos debates em relação à administração municipal. O único pronunciamento público até agora sobre as eleições municipais, feita pelo governador Marcos Rocha, foi em Ariquemes. Lá, ele pediu que o atual prefeito Thiago Flores reavaliasse sua decisão anterior de não disputar a reeleição. Ou seja, ficou claro a simpatia de Rocha por um eventual segundo mandato do jovem prefeito de Ariquemes. Em relação a Porto Velho, ao menos até agora, o Governador não se pronunciou e nem disse se participará, de alguma forma, do processo eleitoral.

CORONEL RONALDO CONFIRMADO PELO SOLIDARIEDADE

Acompanhado do presidente regional do partido, o Solidariedade, o ex governador Daniel Pereira, o pré candidato à Prefeitura, Coronel Ronaldo, até recentemente comandante da Polícia Militar do Estado, começa a ir à mídia, para dar entrevistas, apresentar ideias e se posicionar como pretendente à cadeira de Hildon Chaves. O Coronel, gaúcho, que atuou na PM desde meados dos anos 80, respondeu a várias perguntas dos Dinossauros, no programa Papo de Redação (Parecis FM, 98.1, segunda a sexta, meio dia às 14 horas). Falou sobre saúde, transporte público, obras estruturantes, educação e todos os temas importantes da comunidade. Respondeu também várias perguntas dos ouvintes. Muito respeitado na tropa, onde tem apoio quase unânime, Ronaldo deixou o comando da PM por divergências com seu colega, o coronel Marcos Rocha, que era seu chefe, como Governador do Estado. A convenção do Solidariedade ainda não está agendada, mas a decisão de lançar o nome do Coronel Ronaldo para a Prefeitura já está definida.

GOLPISTAS PEGAM GRANA DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

Mais uma operação da Polícia Federal em Porto Velho. É uma atrás da outra! Dessa vez, o alvo foi um grupo de falsários, cujos nomes são mantidos sob o mais absoluto sigilo (já que assim o exige a legislação que protege os direitos dos criminosos), que faturaram mais de 1 milhão e 500 mil reais do auxílio emergencial, que deveria ser pago apenas a pessoas pobres dessa terra. Os bandidos falsificavam carteiras e cartões, usavam maquinas de cartões e tinham acesso a uma extensa relação de beneficiários. Usando o nome dessas vítimas, faziam pedidos do auxilio e recebiam toda a grana. Tem gente graúda envolvida. Carros de luxo foram comprados com o produto do golpe. A eficiente PF não deu moleza para esses usurpadores do dinheiro dos pobres. Quem dá moleza a eles são as leis brasileiras. Só que, daqui a pouco, os nomes dos malandros vão aparecer nas redes sociais. Já que a lei os protege, a opinião pública, é claro, não dá moleza a esse tipo de gente.

FILHOS DA CRIADORA DA VACINA FORAM VOLUNTÁRIOS

Os filhos da cientista Sarah Gilberto, criadora da Universidade de Oxford, explicou que seus filhos, trigêmeos, participaram dos testes do novo medicamento como voluntários e que ela não decidiu por eles. Os filhos, maiores de idade e estudantes universitários, se incluíram nas mais de mil pessoas que estão sendo como uma espécie de cobaias humanas da nova vacina, por decisão de cada um. Notícia que percorreu o mundo, afirmava que, para comprovar a eficiência da vacina que criou, a dra. Sarah tinha decidido vacinar seus próprios filhos, que teriam sido escolhidos por ela, para os testes. Não foi isso o que aconteceu. A vacina de Oxford é, até agora, a maior esperança de um produto eficiente contra o coronavírus. Os testes finais, contudo, ainda não foram concluídos, mas os resultados observados até aqui têm sido positivos. No Brasil, a vacina de Oxford já começou a ser produzida e até dezembro, numa parceria com a Fiocruz, devem chegar ao mercado as primeiras 15 milhões de doses, se o cronograma for mantido. Até maio, caso o andamento dos testes continuem sendo animadores, o governo brasileiro vai investir perto de 2 bilhões de reais na produção de 100 milhões de doses da vacina.

A GUERRA DOS DIREITOS AUTORAIS

Um projeto que tramita em regime de urgência na Câmara Federal, está motivando uma série de protestos entre a classe artística. Pelas redes sociais, nomes como Milton Nascimento, Caetano Velloso, Gilberto Gil, Djavan, Nando Reis, Paula Fernandes e muitos outros, divulgam vídeos, protestando contra projeto que acaba com o pagamento de parte dos direitos autorais pelas músicas tocadas em hotéis e navios. Entidades que representam esses dois setores do turismo, alegam que há anos “o setor de hotéis e navios de cruzeiro vem sofrendo com a cobrança indevida e injusta de direitos autorais provenientes da execução ou até da mera disponibilização de aparelhos de rádios e TVs nos interiores dos apartamentos e cabines”. Ou seja, o pagamento tem que ser feito ao ECAD apenas por haver rádio e TV nos apartamentos e quartos de hotéis e em cabines de navios. Os dois setores consideram que é correto o pagamento apenas às músicas disponibilizadas em locais públicos. O pau está cantando e os autores de algumas das mais belas músicas da nossa história (assim como seus descendentes, que recebem o dinheiro do ECAD), estão berrando contra a medida. A decisão sai nos próximos dias.

MENINO QUER DISTÂNCIA DO PAI CRIMINOSO

A vida tem dessas histórias tristes. Bruninho, filho do jogador Bruno com a ex amante Eliza Samúdio, a quem ele mandou assassinar, vive no Mato Grosso e não quer saber de conhecer o pai. Uma criança que está sob os cuidados dos avós, ele só soube recentemente do que aconteceu com sua mãe. Quando perguntado por seus coleguinhas sobre o assunto, só lamenta não ter conhecido sua mãe e que gostaria que o assassino dela ficasse na cadeia para o resto da vida. Infelizmente, Bruninho vive num país onde assassinos andam legalmente à solta, protegidos por decisões legais inacreditáveis, que punem apenas a memória das vítimas. Bruno, que jogou sua carreira no lixo e preferiu mandar matar uma pessoa do que pagar pensão alimentícia, foi condenado a 21 anos de prisão, mas já está solto, cumprindo regime semiaberto. Ele foi contratado recentemente pelo Rio Branco, equipe do Acre, que vai disputar a Série D do Campeonato Brasileiro. Até hoje, o goleiro não reconhece a paternidade do menino, exigindo exames de DNA, mas que eles sejam realizados em Minas Gerais e não no Mato Grosso, onde vive a criança. Bruninho, ao menos por enquanto, tem uma vantagem: está longe do pai criminoso!

PERGUNTINHA

O que você acha que deve ser feito em relação a mais de 680 mil servidores públicos que pediram e receberam indevidamente o auxílio emergencial que deveria ser destinado apenas aos pobres?

Comentários

comentários