A última vez em que foi visto,a vítima estava com a alguns membros da família, tomando bebida alcoólicas em um momento de descontração

O desaparecimento de Nilton Cezar Nascimento Santos (43 anos) foi comunicado há quase 10 dias por familiares. A última vez em que foi visto,a vítima estava com a alguns membros da família, tomando bebida alcoólicas em um momento de descontração.

Após o seu desaparecimento, a Polícia Civil começou a investigar o caso e descobriu que o homem esteve pela última vez na casa de um sobrinho, no Bairro Bodanese. Desde então, Nilton não foi mais visto, fato que chamou a atenção da investigação.

Depois de alguns interrogatórios, o próprio sobrinho teria ido à Unidade Integrada de Segurança Pública (UNISP) de Vilhena, onde confessou o homicídio. Segundo ele, ambos discutiram por motivo fútil depois de embriagados e o suspeito esfaqueou Nilton até a morte.

Após o crime, o rapaz ainda teria enterrado o corpo e construído uma calçada sobre ele, visando ocultar o cadáver. Informações ainda dão conta de que o infrator, agindo com frieza, teria promovido um churrasco sobre a calçada onde o tio estava enterrado. Na reunião, ele teria convidado amigos e familiares que nem desconfiavam do acontecimento.

O corpo já foi localizado e liberado para ser analisado posteriormente por um médico legista. Uma possível faca usada no crime foi apreendida.

NO DIA DOS FATOS

Em entrevista ao Folha, ainda nesta quarta-feira (09), uma familiar teria relatado os últimos passos de Nilton. De acordo com o depoimento, ele teria saído de manhã dizendo que passaria no banco e depois iria para a casa de amigos beber.

No meio do caminho, encontrou alguns familiares que o chamaram para uma reunião. Depois do seu desaparecimento, algumas pessoas chegaram a dizer que ele teria saído da casa em direção à BR, mas os fatos não se confirmaram. Esses foram os últimos instantes de vida de Nilton.

folha de vilhena

Comentários

comentários