Informação foi prestada pelo provedor após a defesa do candidato exigir na Justiça o rastreamento do IP

O candidato Vinícius Miguel, do Cidadania, conseguiu, através da Justiça Eleitoral, descobrir de onde saiu parte dos ataques virtuais lançados contra ele durante o primeiro turno do pleito.

Ele ficou em terceiro lugar com 13,36% chegando a 29.369 votos.

Paralelamente à corrida eleitoral em si, Miguel fora obrigado a travar batalhas no campo judicial em decorrência da enxurrada de notícias falsas despejadas contra sua postulação tanto na Internet quanto nas ruas, de maneira física, neste último caso a exemplo dos panfletos apócrifos distribuídos na Capital por moradores de rua “contratados” pela bagatela de R$ 20,00 por gente ainda não identificada pelas autoridades federais já acionadas após a perpetração dos crimes.

Neste caso específico reportado agora pelo Rondônia Dinâmica, a dupla de advogados que trabalhou na campanha do postulante do Cidadania moveu representação contra perfil denominado Jorge Rondon no Facebook.

O perfil estava publicando “fake news” e obtendo compartilhamentos efusivos a partir de suas veiculações, prejudicando o candidato em questão.

No dia 21 de setembro, o juiz eleitoral Johnny Gustavo Clemes já havia determinado que o autor do perfil excluísse a postagem em questão. Ele também solicitou ao Facebook a exclusão, caso o primeiro não cumprisse, além das postagens geradas pelos usuários que compartilharam o conteúdo.
O magistrado exigiu ainda o IP usado para a geração da postagem e os dados cadastrais do perfil Jorge Rondon, já suspenso – por conta própria, vez que a decisão judicial não acatou esta parte específica do pedido dos defensores de Vinícius Miguel.

Adiante, o juiz determinou à empresa Brasil Digital Servicos de Informatica que apresentasse o nome do cliente “que costa na conta usada para fazer os acessos”.

A resposta: TV Allamanda.

A internet contratada pela emissora fora usada para desencadear a postagem em questão contra Vinícius Miguel, veiculação onde havia, concidentemente ou não, links para o YouTube contendo reportagens elaboradas pela afiliada do SBT em Rondônia.

Procurado pelo Rondônia Dinâmica, Vinícius Miguel disse que vai avaliar os autos, mas por ora não irá se pronunciar a respeito.

A redação tentou contato com o número comercial da TV Allamanda, mas, até o fechamento da matéria, não obteve retorno.

O espaço está aberto para eventuais manifestações.


Como a empresa não cumpriu a primeira ordem judicial, magistrado majorou a multa / Reprodução


Após o juiz aumentar a multa, defesa da Brasil Digital informou de onde saíram os acessos: da TV Allamanda / Reprodução

RONDONIADINAMICA

Comentários

comentários